01 fevereiro 2003

A tua ilha

O que é uma ilha? Não te vou pedir para ires ao dicionário... Tu sabes muito bem que uma ilha é um pedaço de terra cercado de água por todos os lados, certo?

Não te preocupes! Não estamos aqui para substituir a tua professora de Geografia, mas... procura o mapa-mundo aí em casa e olha bem para as ilhas que existem no nosso planeta: são centenas! Já imaginaste o que sentiram os nossos navegadores que, no século XV, se aventuraram e partiram até lugares desconhecidos? Alguns atracaram em Africa, outros no Brasil, outros ainda descobriram ilhas que até ali eram desconhecidas. Deve ter sido emocionante para eles. E hoje? Como é que tu poderias ir parar a uma ilha?

Férias!
Caraíbas, Havai, Républica Dominicana, Maldivas, Madeira... É só entrares numa agência de viagens e escolheres o teu destino. Mochila às costas, bem fornecido com 6 embalagens de protector solar, óculos de sol, a toalhinha e o indespensável chinelinho de praia. O avião descola e, horas depois, lá estás tu no paraíso. É bom tirarmos férias para descansar e sair um pouco da rotina, faz bem e aconselhamos a todos... mas é uma viagem com bilhete de ida e volta. Mais cedo ou mais tarde, vais regressar à rotina, ao dia-a-dia. Faz bem parar e reflectir sobre a nossa relação com Deus, connosco próprios e com os outros. Se calhar não temos dinheiro para viajar, mas temos tempo para pensar. É preciso orar e, até mesmo, jejuar, passar um tempo especial com Ele. (2 Crónicas 20: 3 e 4)

Naufrágio!
Lembras-te da história do Titanic? Diziam que nem Deus poderia destruir aquele navio. O facto é que bastou “apenas” um iceberg e, em pouco tempo, o navio afundou-se. Os botes não chegavam para todos os seus passageiros. Coletes salva-vidas? Muito poucos! Muitas pessoas morreram congeladas, outras afogadas. Alguns sobreviveram para contar a história.

Quantas pessoas andam por aí a naufragar? A vida delas embateu contra o iceberg da ruptura de relacionamentos e/ou da incerteza quanto ao futuro. Pais divorciados, famílias destruídas, amigos que nos decepcionam ou mesmo desilusões connosco próprios. Muitos dão à costa da ilha do isolamento porque a tempestade da vida foi dura demais e não pediram socorro Àquele que pode acalmar o vento e o mar (Mateus 8:23 a 27). Tu olhas para o mar e perguntas como podes sair dali. Procuras sobreviver pelas tuas próprias forças. Constróis uma jangada de incertezas e rumas num mar de dúvidas mas a tua vida volta a dar à costa. A tua família põe meio-mundo à tua procura. Todos os canais de TV passam a tua foto durante meses no telejornal. Barcos, helicópetros e mergulhadores... uma operação de salvamento até agora sem resultados. Um dia resolves pedir ajuda. Depois de teres tentado todos os meios possiveis e imaginários, cais de joelhos na praia e gritas para o Céu, vezes sem conta: “DEUS, SALVA-ME!” Horas depois, já estás junto da tua família, envolto num cobertor, a beber um chá bem quente. Eles estavam mesmo do outro lado da ilha e ouviram-te gritar. Deus só está à espera que nós falemos com Ele para Lhe pedir ajuda... Sem medos! (Jeremias 33:3)

Comprei uma ilha!
“Quero a minha independência! Estou farto disto tudo... telemóveis, autógrafos, família... Vou comprar uma ilha só para mim!” Os milionários, actores ou modelos podem cometer estas loucuras. Isolam-se do resto do mundo para esquecer a popularidade, os amigos interesseiros, a falta de tempo para a família, os vícios, os problemas... Às vezes nós somos assim. Isolamos os sentidos nas 4 paredes do nosso interior, fechamos a porta aos conselhos dos nossos pais e corremos as pressianas, para a luz de Deus não entrar, apenas porque a chave está no nosso orgulho, o que facilita a queda deste precipício. Mais um passo, mais um dia a falar com os outros, mas sem dizer nada do que se passa dentro de ti. Solidão, dor, revolta... dizes que ninguém gosta de ti, mas tu voltaste as costas aos outros e, se continuares assim, vais mesmo cair no abismo. A Bíblia fala acerca de um homem que fugiu das suas responsabilidades: Jonas. Mas ele acabou por achar uma solução (Jonas 2).

E tu?
Falámos de ilhas e de pessoas. Turismo? Naufrágio? Isolamento? Qual é o teu caso? Em que situação é que te revês? Qual a tua posição geográfica em relação a Deus e aos outros? Em que oceano estás? Que tipo de pessoas te rodeiam? Será que continuas a querer fazer tudo pela tua própria vontade e não pedes a Deus que te resgate dessa vida sem futuro? Está na altura de construir pontes, laços de amizade fortalecidos, laços familiares restaurados. O teu interior precisa de ser curado e inundado pelo amor infinito de Deus. Esta é a hora de deixares o teu casulo, seja ele qual for, e voares livremente para uma nova vida de amor e paz que Deus tem para ti (Isaias 55: 1 a 7; Isaias 59: 1 e 2; João 6:37).

Deus te abençoe.

Rute Rodrigues e Ana Ramalho

in revista Boa Semente, secção BSteen, Março 2003

Sem comentários: