Parar e pensar

Uma das coisas que mais me fascina em Jesus e em Paulo, é a forma como ambos utilizaram situações e coisas do dia-a-dia daqueles tempos para explicar as coisas de Deus. Jesus era especialista em usar parábolas, como a da ovelha perdida ou a do filho pródigo. Paulo, por exemplo, comparou o cristão a um atleta que faz tudo para alcançar o prémio. 

Muito interessante é a forma como Paulo explica aos irmãos de Roma o que é a Igreja. Ele compara a Igreja a um corpo, com muitos membros e com uma só cabeça: Jesus. E se fosse hoje? Que exemplos, que ilustrações iria ele utilizar para que os homens e mulheres do Século XXI compreendessem o que é a Igreja? Certamente cada um  de nós poderá dar diferentes respostas a esta pergunta, mas, gostava que parasses um momento para pensar comigo.

Quando olhamos para uma equipa, de qualquer modalidade desportiva, verificamos que essa ilustração é muito interessante para explicar o que é a Igreja.

O treinador (Jesus) explica a tática (Palavra de Deus) nos treinos (Cultos), para que, em equipa (união), possamos marcar golos (ganhar almas) na balisa adversária (satanás). Para isso, o treinador conta com avançados bem preparados (pastores), uma boa defesa (armadura de Deus – Efésios 6:10) e atletas prontos a renunciar a muitas coisas para estarem preparados (santificação), com o objectivo de ganhar a taça (vida eterna) no final do campeonato (vida cristã). Interessante a comparação, não achas?

Se calhar até gostas de praticar alguma modalidade desportiva, e isso é bom, desde que não prejudique nem seja mais importante que a tua vida cristã, a tua comunhão com Deus e com os teus irmãos, o teu tempo com Deus em casa e na Igreja. O desporto faz bem… mas não alimenta a tua vida espiritual.

Alguns atletas cristãos têm essa experiência. Verdade! Podes ler nesta BSTEEN testemunhos reais de desportistas profissionais que se converteram a Jesus. Também seleccionámos sites de organizações desportivas cristãs e convidámos o Pr. Josué da Ponte que escreveu um artigo desafiante sobre o tema deste mês.

Um abraço para todos e… até daqui a um mês, se Deus quiser!

Ana Ramalho
in revista Boa Semente, secção Bsteen, Junho 2004

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda