De costas...


Muitas vezes temos a nossa visão deturpada, simplesmente porque não estamos a olhar para o sítio certo.

Olhamos para o lado errado, e continuamos impávidos e serenos a caminhar sem rumo certo, até que alguma coisa de sobrenatural do nosso agrado aconteça. Ficamos teimosamente errados, embebidos pelos nossos ideais e pelo nosso orgulho. Não mudamos. Esperamos que Deus ou alguém mude ou faça alguma coisa por nós.

De costas viradas para Deus...
E afinal, Ele está mesmo atrás de nós e quer responder às maiores dúvidas. Ele deseja iluminar o nosso caminho e dar orientação. Deus quer reflectir na nossa vida a Sua glória. Mas estamos de costas e, à nossa frente, vemos simplesmente uma sombra, fruto da posição que tomamos de não mudar, não perdoar, não buscar a Deus. Na sombra parecemos enormes... somos tão perfeitos, pensamos, tão inteligentes e sábios que não precisamos de ninguém! De facto, somos é imperfeitos mas tão convencidos de estar certos.

Temos medo de nos virar para Ele e vermos quem realmente somos. A luz da Sua palavra mostra as nossas misérias, as nossas feridas e marcas do passado, mas a mesma palavra limpa, cura e restaura o nosso coração.

De costas viradas para os outros...
Embriagados pela nossa própria maneira tão perfeita de ver o mundo, tão cheios de nós mesmos e tão vazios de Deus. Fechamos o livro da nossa vida apenas para nós e não permitimos que ninguém escreva nele. Não queremos que nos digam o que precisamos ouvir. Abominamos saber que somos falíveis e temos defeitos... Rangemos os dentes a quem nos confronta com a verdade e com as mesmas mãos que acarinhamos quem nos diz palavras deliciosamente enganadoras, estrangulamos aqueles que nos querem ajudar a focar correctamente a nossa atenção.

Tudo muda se nós quisermos. Deus está disponível. As pessoas até nos querem ajudar, mas precisamos baixar as nossas defesas, virarmo-nos uns para os outros e para Ele... E aí a nossa vida vai mudar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda