Operação STOP: o melhor mesmo é encostar...

A viagem corria bem. Estávamos a respeitar o limite de velocidade. A certa altura, percebemos que a GNR está a mandar parar algumas viaturas. Parece que estão a pedir-nos para encostar. É mais uma operação STOP.

Não sou da GNR, mas queria convidar-te a parar e pensar. A maior missão da Igreja apontada por Jesus não é conquistar terrenos e construir templos mas alcançar e reconstruir vidas. Os templos são necessários, mas para enche-los precisamos ir e testemunhar. Sair do conforto e ser sal onde o pecado torna a vida insonsa e luz onde a corrupção obscurece o dia-a-dia. É mais confortável ficar sentado ou até muito atarefado... mas sempre dentro da casa de oração. Na segurança e no bom ambiente da casa do Pai tudo é mais fácil e agradável. Mas sal dentro do saleiro não faz efeito e luz escondida não ilumina ninguém.

Às vezes oramos “Deus, trás pessoas à Tua casa”, como se transferíssemos a responsabilidade de evangelizar para o Senhor. Deus é Todo-Poderoso mas nós temos o privilégio e dever de falar para que o Seu poder transformador se manifeste em muitas vidas.

Não estou a sugerir que vamos todos para a rua com um megafone ensurdecer as pessoas com o slogan “Arrepende-te ou vais para o Inferno!”. Obvio que ao evangelizar precisamos falar da justiça de Deus, mas com amor. “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16 NTLH).

Se a forma de alcançar pessoas para o Reino de Deus não está a ser tão eficiente quanto noutros tempos, precisamos fazer um STOP. Se já estamos a terminar a secundária e ninguém na escola vê através da nossa forma de vida que somos cristãos, precisamos fazer um STOP. Se a necessidade de salvação dos nossos vizinhos, família e amigos não nos incomoda, precisamos fazer um STOP. Quer sejamos novos cristãos ou desde a infância, lideres ou liderados, de grandes ou pequenas igrejas, precisamos fazer um STOP.

Fazer STOP significa Sentir, Traçar, Orar e Persistir

Sentir a mesma compaixão que Deus tem em relação às pessoas perdidas.
Traçar estratégias e organizar ideias para que a forma como transmitimos a Palavra de Deus seja contextualizada e eficiente.
Orar, orar e orar para receber orientação, força e inspiração do Senhor.
Persistir em comunicar o evangelho transformador de Jesus.

A segunda vinda de Jesus está-se a aproximar a uma velocidade fenomenal e a urgência de evangelizar é emergente. É essencial agirmos como o Mestre. Comunicar a verdade de Deus de forma responsável, completa, com amor, mas contextualizada. Deus conta connosco.

STOP

Ana Ramalho
in revista Novas de Alegria, suplemento NAJovem, Março 2007

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda