Discipu(lado)

Quando nascem, os bebés são a alegria dos pais e do resto da família. No primeiros dias, recebem montes de presentes, elogios e comparaçõesEu acho que parece com o pai!” “Tem o nariz do bisavô”. Os recém-nascidos choram “baba e ranho” e mesmo assim continuam a ser as estrelas do momento. Têm toda a atenção, todo o cuidado, todo o carinho.

O facto é que, infelizmente, nem todas as crianças nascem nesse ambiente. Nem todos os pais têm condições para dar um inicio de vida sorridente aos seus filhos.

Além disso, há bebés que são abandonados pelos seus progenitores. Em Portugal esta atitude é punida por lei, mas não é assim em todo o mundo. Por exemplo, em alguns hospitais da Alemanha1, existem compartimentos envidraçados onde as mães colocam os bebés “indesejados”. Depois, soa um alarme e as enfermeiras vêm recolher os recém-nascidos. Segue-se um processo até chegarem à adopção.

Não pretendo discutir acerca da melhor solução para este problema, nem é meu objectivo explorar as causas desse “abandono voluntário permitido”. O que me faz escrever é o paralelismo com aquilo que se passa, por vezes, na igreja.

Este texto é, antes de mais, uma reflexão pessoal acerca do modo como tenho vivido o discipulado. Convido-vos a pensar nisto comigo.

Quando alguém recebe Jesus como seu salvador, como estamos a receber o “bebé”? Um abraço no final da campanha ou uma palavra do conselheiro para falar dos horários dos cultos.. e pronto?!

Ouvimos os nossos avós e pais a dizer que noutro tempo as igrejas eram mais unidas e as pessoas interessavam-se em ajudar os novos convertidos a ganhar firmeza. Hoje, os sociólogos falam de individualismo, famílias destruturadas e isolamento. Acontece na sociedade e aparece na igreja – especialmente no discipulado dos novos crentes.

O discipulado precisa ser ensinado, estruturado e vivido. Antes de mais, acordar para a necessidade em acompanhar o outro. Depois, explicar como fazê-lo. A boa intenção e sentido de responsabilidade, por parte dos crentes, associados a uma formação técnica de base bíblica nesta área, facilitada pela liderança, são o “casamento perfeito”.

Se abandonarmos os novos convertidos estamos a ser como pais negligentes. Não podemos desculpabilizar-nos, entregando essa tarefa apenas à liderança e “lavar as mãos” daquilo que a Bíblia dá a todos como responsabilidade. Eles são bebés espirituais que precisam do nosso carinho e paciência. Cabe a todos nós a tarefa de lhes pegar ao colo, ajudar a levantar quando caem, socorrê-los quando choram. Cabe-nos estar lado a lado.

“Aqueles que creram (...) juntaram-se aos outros crentes, participando regularmente no ensino administrado pelos apóstolos, na união fraterna, no partir do pão e nas orações (...) Cada dia adoravam juntos no templo; reuniam-se em pequenos grupos familiares para celebrar a comunhão, e tomavam as refeições em comum.” (Actos 2:41,42, 46 – versão O Livro)

Ana Ramalho


1 Fonte: www.euacontacto.com

in revista Novas de Alegria, Março 2008

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”