Mais do que um “bom som”

Música, adoração e evangelismo


A música faz parte do nosso dia a dia. Desde crianças que temos a música como pano de fundo de brincadeiras, festas e comemorações. Isso continua por toda a vida!

Os sons que nos rodeiam são aquilo que nos ajuda a identificar o tipo de meio de transporte, instrumento, a identidade de determinada pessoa, o nome deste ou daquele animal. A própria natureza é uma orquestra que Deus criou, para O adorar. Nós, humanos, beneficiamos dessa melodia que reflecte a admiração pela grandeza do Criador.

A música na Bíblia
A música aparece também ao longo de toda a narração bíblica. Desde Génesis até a Apocalipse vemos: construtores de instrumentos, músicos, poetas, compositores, corais de anjos, entre outros. Deus escolheu, dentro do Seu povo, uma tribo especial para se dedicar ao ministério do louvor e adoração, através da música como base para uma letra apropriada.

O livro que está no centro da nossa Bíblia, é uma colectânea de letras de músicas – os Salmos. Algumas são orações, súplicas, outras exprimem exaltação e adoração. Alguns cânticos transmitem as grandezas de Deus na criação. Outros falam daquilo que o Senhor fez ao salvar o Seu povo. Umas festejam as colheitas, outras apontam para o Messias.

No Novo Testamento, apreciamos que Jesus depois de tomar a última ceia com os discípulos cantou “um cântico”1. Paulo e Silas quando estavam presos, cantavam2. No último livro da Bíblia somos surpreendidos por coros de anjos, coros de pessoas3.

Adoração e música
Adorar significa prestar total homenagem a Deus, reconhecendo a Sua soberania, poder e majestade, na nossa vida, como um todo4. Acima de tudo, é um estilo de vida coerente com o novo nascimento, em retribuição e rendição à Sua grandeza. Não significa, necessariamente, utilizar instrumentos musicais e vozes, mas estes também estão incluídos como uma das formas de expressão dessa adoração. A adoração está intrínseca na oração. Quando conversamos com Deus, entre todos os ingredientes que utilizamos, a expressão da adoração está presente. O exemplo desse princípio está na oração-modelo que Jesus ensinou aos discípulos5.

A poesia, nas nuances dos seus conteúdos, aliada à melodia, compõe hinos que expressam o sentimento do adorador, em coerência com o seu estilo de vida. As músicas adequadas a adorar, mais calmas e apropriadas à meditação, ajudam a envolver espírito (o nosso coração), alma (as nossas emoções) e corpo (os nossos membros, a nossa postura) no acto de reverenciar a Deus6. Se no louvor há uma demonstração de alegria e entusiasmo por aquilo que Deus faz, os quais também se manifestam através das formas de interpretação musical, na adoração existe a consciencialização daquilo que Deus é – facto que causa esta veneração e honra.

No texto, o poeta ou compositor aborda Deus e os Seus atributos, como o cerne da construção poética. Não se suplica nada a Deus, excepto a Sua contínua presença nas nossas vidas, pela nossa necessidade intrínseca, como Seus filhos de estar Nele, estar com Ele e depender Dele. Meditar nas Suas qualidades imutáveis é o bastante para preenchermos páginas de poemas, limitados pela nossa natureza humana, mas ilimitados no assunto inesgotável – Deus.

O grande compêndio de hinos de adoração é o livro dos Salmos, mas outros estão espalhados as páginas da Bíblia Sagrada. Em todo o tempo, os filhos de Deus O adoraram – com as suas vidas, com as suas palavras e melodias7.

A música como ferramenta de evangelismo
Sem dúvida que a música é um valioso instrumento na obra de Deus. Falo não apenas como forma de adoração, mas como ferramenta de ensino e evangelização. Se os autores dos Salmos usaram músicas para, em conjunto com aqueles poemas, expressar quem Deus é e aquilo que Ele faz, hoje temos o mesmo meio para utilizar na propagação do Evangelho à escala local, regional, nacional ou mesmo mundial.

1.    Música e letra contextualizada Podemos passar a mensagem da salvação que há em Jesus para as pessoas, com uma linguagem melódica que lhes seja familiar, contextualizados com a sua cultura. Ao mesmo tempo a linguagem da letra deve estar ao nível dos nossos ouvintes. Não podemos comunicar eficazmente em inglês com alguém que só compreende o espanhol. Da mesma forma, a nossa evangelização não será efectiva se utilizarmos um vocabulário complicado, de cariz religioso. Podemos sentir-nos abençoados ao cantar essas letras, mas a mensagem importante – que as pessoas não salvas necessitam ouvir – não alcança vidas. A música é um auxílio tremendo para evangelizar quando é algo de comum entre cristãos e pessoas não alcançadas. Se temos uma sonoridade, um ritmo que é familiar ao grupo de pessoas que queremos alcançar, teremos uma abertura mais provável da parte deles para escutar aquilo que temos para dizer. Também é possível utilizar expressões locais e adaptá-las no evangelismo através da música. Paulo utilizou esse método ao referir-se a poetas helénicos, não num poema mas num discurso. A sua pregação foi buscar pontos comuns com o público que o escutava no Areópago8.

2.    Música e estado de espírito Além disso, os sons influenciam o estado de espírito dos ouvintes. Se estivermos sujeitos a um tipo de som violento e assustador, isso terá as suas repercussões no nosso ritmo cardíaco e sistema nervoso. Uma canção alegre, com uma letra apelativa pode ser um meio óptimo para que a letra comece a entrar no ouvido, para que Deus depois entre e toque onde nós não somos capazes - no coração9.

3.    Música e mensagem As palavras podem ser simples, mas a mensagem deve ser grande. Bill Bright diz no seu livro “Testemunhando sem medo” que “o sucesso do testemunho está em fala de Jesus, no poder do Espírito Santo, deixando os resultados com Deus”. Penso que o princípio, que é bíblico, se aplica quando a ferramenta para testemunhar ou evangelizar, é a música. A nossa mensagem deve ser centrada na pessoa de Jesus, na Sua obra expiatória, que garante aquilo que os perdidos necessitam – vida abundante, vida eterna, através da salvação que Cristo, e só Ele, dá10.

4.    Música e ciber-evangelismo Hoje, existem formas de colocar a música cristã na internet, através de um podcast. É possível escutá-la num leitor de mp3, enviar para amigos através do e-mail, colocar num blog pessoal, numa página web de uma igreja. Fazê-la chegar através de um vídeo-clip on-line, entre muitos outros.


Em conclusão
Quer seja como forma de adoração dos cristãos ou como ferramenta para espalhar o Evangelho, a música tem uma utilidade imensa. Bem utilizada e contextualizada, será de bênção tanto no seio da igreja como entre os sedentos pela Fonte da Vida – Jesus.

Ana Ramalho


1 Mateus 26:30
2 Actos 15:25
3 Apocalipse 7:9; 19:1; 19:6
4 1 Coríntios 10:31
5 Mateus 6:9 a 13
6 1 Coríntios 6:20
7 Salmo 34:1
8 Actos 17:22 a 34
9 Hebreus 4:12

10 1 Coríntios 1:23

in revista Novas de Alegria, suplemento NAJovem, Março 2008

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”