A brincar, a brincar... Gravidez na adolescência

O tema desta BSteen é a Gravidez na Adolescência. O facto é que, a brincar, a brincar, podemos ser mães ou pais prematuros. E isto tem a ver, em primeiro lugar, não com a gravidez propriamente dita, mas com o modo como vemos e vivemos a sexualidade na nossa adolescência.

Abraçados, de porta fechada, a sedução vai conquistando terreno, até tomar conta deles. Minutos mais tarde, ouve-se a porta da rua a abrir. Tentam disfarçar e esticam a roupa da cama. Como se nada tivesse acontecido, escondem os vestígios do momento de prazer e dissimulam: ele pega num livro, ela vai para o computador. A mãe bate à porta e entra. “Está tudo bem”, pensam, “Não fomos apanhados…”. No dia seguinte, voltam à escola e combinam um próximo encontro para “estudar”. “Não te preocupes” diz-lhe ele ao ouvido “Eu vou sempre prevenido!”
Esta e outras cenas entram-nos pela casa a dentro todos os dias na MTV, nas séries da moda, na publicidade, na novela Morangos com açúcar, etc.
Aquilo que vemos parece bonito e sedutor mas, visto e revisto, deixa sempre marcas em nós – quer sejam boas, quer sejam negativas. Isto acontece ainda mais na adolescência – fase em que estamos a construir a nossa identidade, a nossa personalidade.
A gravidez, o aborto, as doenças sexualmente transmitidas (como a SIDA) são alguns dos resultados por levar a sexualidade como uma brincadeira, por puro prazer do momento… A brincar, a brincar, podemos ser mães ou pais prematuros. Depois há a culpa, a desilusão e os traumas emocionais consequentes. Em primeiro lugar, precisamos pensar na causa de tudo isto: o modo como vemos, alimentamos e vivemos a sexualidade na nossa adolescência.

TUDO O QUE DEUS CRIOU É BOM
Deus criou Adão e depois Eva. É claro, na Palavra de Deus diz que eles deveriam multiplicar-se, ou seja, procriar1. O Criador fez o homem e a mulher completos, incluindo a área da sua sexualidade…. E tudo o que Deus cria é bom2!
A grande questão está no modo como nós usamos aquilo que Deus nos dá. Podemos teimar e fazer as coisas à nossa maneira, sem nos importarmos com a opinião de Deus, explicada pelos nossos líderes, pais ou professores de Escola Dominical… mas será que essa é a melhor opção?
Vamos ver um pouco do plano de Deus (o fabricante) para essa área tão importante e delicada da nossa vida, no livro de instruções (a Bíblia). Melhor que tu e que eu, quem nos criou pode-nos ajudar, não achas?

INSTINTO FATAL
Quanto mais nos deixamos influenciar por uma sexualidade fácil e sem compromisso, do tipo “segue o que sentes e esquece as consequências”, mais nos vamos tornar “presas fáceis” do sistema que usa, abusa e depois deita fora. Nem tudo o que é bonito na TV permanece bonito na vida real, a longo prazo. A nossa vida não é um conjunto de momentos isolados. Cada acção e decisão tem consequências.
O ser humano não é um animal irracional. Possui afectos, vontade, emoções, raciocínio lógico e capacidade criativa. Se nos deixarmos controlar pelos nossos instintos – seja em que área for – estamos a ir contra aquilo que Deus deseja de nós. As nossas hormonas estão ao rubro na adolescência, por isso, precisamos precaver-nos.
O que a Bíblia condena não é o relacionamento íntimo mas quando este acontece fora da vontade de Deus, ou seja, sem o compromisso do casamento3. Como cristãos, precisamos ficar agarrados a Deus para nos ajudar a ter auto-controlo (um dos aspectos do Fruto do Espírito, como podes ver em Gálatas 5:22-23) e não nos deixarmos dominar pelos nossos instintos (a que a Bíblia chama “a nossa carne” ou “instintos carnais”). A Miriam Vicente deixa dicas muito importantes para nos prevenirmos.

ESPERAR PELO CASAMENTO?!
Deus quer que sejamos completos com outra pessoa do sexo oposto, dentro do espaço que Ele criou para isso – o casamento4. Deus disse a Adão e Eva “Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (Génesis 2:24)… mas nem Adão nem Eva tinham pais!!! É mesmo fantástico ver como o nosso Criador quis deixar claro, desde o princípio, de como deveria funcionar o casamento.
Infelizmente, hoje o casamento, na visão da sociedade, está cada vez mais longe de ser visto como algo bom e positivo, muito menos para a vida inteira. Mas, quando levado à risca em todas as áreas como Deus planeou, o casamento é o ponto alto da relação de duas pessoas do sexo oposto. Ele quer que homem e mulher, no casamento, vivam o compromisso de se amarem para a vida, serem companheiros e tenham intimidade em todas as áreas - não apenas na sexual – até ao final das suas vidas5.

EU SEI O QUE FAÇO!
“Amor e uma cabana” é uma frase bonita… mas para avançar para uma relação séria e para a vida (o casamento) deves saber bem aquilo que estás a fazer… e tens tempo para isso!
O projecto do casamento é uma fase importantíssima. O que é isso?! O namoro deve ser pensado como um projecto do casamento, e não como um divertimento. Essa é a fase ideal para conheceres as expectativas, lutas, temperamento, reacções e modo de vida da outra pessoa. Aproveita bem esse tempo, antes de decidir…
Não há uma idade específica de limite mínimo ou máximo para casar, no entanto, existem princípios. Casar implica ter capacidade de sustento financeiro e maturidade para a adaptação à outra pessoa, poder ter e criar os filhos, etc. Paulo refere isso mesmo em 1 Coríntios 7:36, quando fala das mulheres solteiras que tenham passado a idade de casar. Espera pelo tempo de Deus6, Ele é fiel!
Ao mesmo tempo, biblicamente, devemos procurar alguém para namorar e casar que tenha os mesmos princípios de fé que nós7. Porquê? Se o casamento é uma união total, então é importante que em todas as áreas haja harmonia.
Entregar toda a nossa intimidade por um momento de prazer pode saber bem na altura… mas não achas que é algo valioso demais para entregar “de mão beijada”? Deus pensou nisso tudo, por isso Ele criou o casamento. E Deus sabe o que faz!

Ana Ramalho

Fontes:
A Sexualidade à Luz da Bíblia, Cláudio Lysias, www.ejesus.com.br; Conhecendo a Adolescência,  www2.uol.com.br/bibliaworld; Sexo: A verdade nua,  Brenton Stacey, www.quadrangularestoril.com.br; Sexualidade: uma perspectiva cristã, Dr. Apolos Landa, http://tilz.tearfund.org;


1 Génesis 1:28 2 Génesis 1:27-31 3 Deuteronómio 22:20,21,28,29 4 Mateus 19:3-11 5 1 Coríntios 7:4 6 Eclesiastes 3:1 7 Êxodo 38:12-16; 2 Coríntios 6:14

in revista BSteen, Outubro 2008

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda