03 novembro 2008

Mensagens

No percurso rotineiro casa-trabalho, trabalho-casa, e enquanto passo os olhos pela vida, centenas de mensagens chegam à escrivaninha da minha consciência. 

É tempo...
Parada no trânsito matutino, leio um slogan político “É tempo de lutar! É tempo de mudar!”. Há uma avalanche de lutas por mudança no nosso mundo, especialmente no âmbito económico, político e social, mas também pessoal.
A mãe que tem dois empregos luta para dar um futuro aos seus três filhos abandonados pelo pai. O idoso luta para sobreviver à distância da família. O ex-militar perturbado pela guerra, luta com os seus fantasmas de dia e de noite. Eles realmente lutam. E se vencerem? Ficarão 100% satisfeitos?
Há uma luta permanente no ser humano, acima da social, da política ou económica. É a luta pela satisfação plena do sentido real da vida. Uma batalha por mudar a rotina da vida superficial, que se fica após 80 ou 90 anos.

“Desligado”
50 metros depois, mais um semáforo que me faz parar. Na berma da estrada, o painel publicitário desperta a curiosidade. “Desligado”, diz o placard. 
Há pessoas que estão “desligadas” pelos problemas físicos e psíquicos ou pelos desaires traumatizantes da vida. O rapaz tetraplégico, o executivo prestigiado agora no desemprego, a mulher atacada pela viuvez após seis meses de casamento. Estas e outras vicissitudes teimam em “desligar-nos” da vida quotidiana... mas será que são apenas os desafortunados que se sentem “desligados”?
Não será que, no meio da multidão, nos podemos sentir os mais infelizes, sós e isolados? Como se faltasse sempre “qualquer coisa” para a nossa felicidade.

“hora h”
Depois de um dia de trabalho, conto com um regresso lento na hora de ponta. Uma empresa publicita “Esta é a sua ‘Hora H’!”
Há oportunidades únicas na vida. Uma oferta de emprego verdadeiramente tentadora. A promoção especial no hipermercado, precisamente no momento em que todos os electrodomésticos avariaram lá em casa. A tão ansiada possibilidade de adoptar uma criança.
Quantas decisões tomamos diariamente? E quantas representam a nossa “Hora H”?! Há uma escolha que fazemos na nossa consciência: seguir o que é bom ou o que é mau... e acatar com as consequências disso mesmo. Não sentimos por vezes um peso interior pelas falhas acumuladas de anos? Somos falhos – pecadores... Mas como inverter essa situação?

“vem”
Chega a hora de repousar. Antes, abro o Livro da minha vida e revejo uma das frases mais transformadoras que alguma vez li “Venham a mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28 – versão “O Livro”).
Eu sei que estas palavras não deixam de ser verdade para a semana, no mês que vem, daqui a 20 anos. Quem proferiu este convite cumpre sempre aquilo que promete. Por mais voltas que dê, encontro a verdadeira satisfação e descanso apenas no autor desta afirmação – Jesus Cristo.
E tu? Como te sentes por dentro? Cansado? Falho? Desligado? Farto de lutar, sem conseguir mudar? Talvez esta seja a tua “Hora H”... “Vem”!


Ana Ramalho

in revista Novas de Alegria, Novembro 2008

Sem comentários: