Check-in

São 4h30 da manhã. Vou entrar ao serviço agora. Está um frio de rachar no aeroporto. Já estão muitos viajantes à espera para fazer o check-in.
Ao trabalho! Há centenas de passageiros para dezenas de voos. Identificações e bilhetes para confirmar. E as bagagens... bom, quanto a isso, os meus superiores pediram-nos para sermos inflexíveis, sem prescindir a boa educação, claro! Há quem queira, literalmente, “levar a casa às costas” quando viaja de avião. As tarifas dos voos já são tão reduzidas que não nos podemos dar ao luxo de permitir excesso de peso, sem o devido pagamento. Temos sido condescendentes, mas por causa de certos abusos, a companhia pediu para os passageiros serem comedidos e respeitarem as normas...
Ali vem a primeira senhora...
- Bom dia! A sua identificação, por favor. Pode colocar a mala no tapete.
A senhora está com um ar cansado. Deve ter dormido no aeroporto...
- Desculpe. – disse-lhe – A sua mala tem 21 quilos e duzentos gramas. Tem que pagar o peso extra. São 12 €. A alternativa é tirar alguma coisa e colocar na sua bagagem de mão.
Vai retirar algo da mala. Parece que ficou um pouco nervosa com a situação... ou pode ser do sono... mas o que é que hei-de fazer? Ordens são ordens. Os passageiros deveriam estar mais atentos quando compram os bilhetes. Está lá bem explícito o limite de peso, do conteúdo das bagagens, etc. Bom, ali vem a senhora com a mala, de novo. Vamos ver se é desta que passa!
Nem todos temos por hábito viajar de avião. Muito menos estar “do lado de lá” a receber os passageiros no check-in.
No entanto, conhecemos bem o peso da bagagem das falhas, das mágoas, das pequenas coisas que, juntas, se vão agigantando num fardo descomunal, escondido nas belas malas da fachada que carregamos. Arrastamos os dias a olhar para elas. Queremos abrir as asas e rumar para outras paragens, mas aquele peso amarra-nos ao presente, ao nosso passado.
 Como aquela funcionária do aeroporto, a nossa consciência vai-nos dizendo que assim não podemos voar. Não por mera intransigência de um lobby de companhias aéreas, mas pelo bem da nossa própria vida. Nas palavras de Max Lucado, precisamos “aliviar a bagagem”.
Há coisas que necessariamente devem ficar em terra, se queremos avançar até ao destino para que fomos criados – a liberdade de Deus. Como? Abrindo o nosso coração para que Jesus, o nosso capitão de bordo, nos ajude a escolher aquilo que não presta, a retirar o peso da culpa e a colocar a leveza do Seu amor – imprescindível para qualquer passageiro da vida.
“Procurem então, com firmeza, permanecer livres, beneficiando da liberdade com que Cristo nos libertou, e não se deixem prender de novo a cadeias de sujeição (...) Sim, meus irmãos, vocês foram chamados por Deus para viverem na liberdade. Não deixem então que essa liberdade seja um pretexto para que a vossa natureza carnal vos leve à prática do mal; antes pelo contrário que ela vos incite a trabalhar, por amor, a favor dos outros.” (Gálatas 5:1 e 13, versão “O Livro”).


Ana Ramalho

in revista Novas de Alegria, Março 2009

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”