Regressos

Nos placards, regresso às aulas. Nas conversas de café, regresso ao trabalho. Voltar. Retornar. Retomar. Regressar.

Podemos estar confortáveis e não desejar abandonar a situação em que nos encontramos. Foi pouco tempo ou deu para ficar com alguns hábitos enraizados, mas as circunstâncias, as obrigações, o dever, leva-nos a regressar. Talvez com algo novo na bagagem. Com alguma tristeza e saudade.

Há regressos que não custam, quando a fase ou o meio em que estamos nos perturba, ou nos entristece... são retornos desejados, ambicionados, sonhados até. Também voltamos diferentes. Com novas experiências para partilhar. Às vezes com cicatrizes para mostrar.

A vida leva-nos a retornar aos braços do Pai, quando desejamos. Podemos contar-Lhe como custa regressar ou como voltamos cansados do que vivemos.

Deus não tem regressos... ele está lá para nos acolher, a toda a hora, todos os dias!

"Por isso não devemos ser como escravos medrosos e servis, mas devemos comportarmo-nos como verdadeiros filhos de Deus, recebidos no seio da sua família e chamando-lhe realmente querido Pai."
(Romanos 8:15, versão "O Livro")

Foto: © John Perivolaris - Flickr


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda