Deve ser horrível ser Jesus no Natal!

Era época de Natal. Estava na minha viagem de casa para o trabalho quando escutei uma mensagem que me deixou a pensar.
Numa estação de rádio, o locutor transmitia os votos natalícios de uma das ouvintes. O teor era, mais ou mesmo, este: “Desejo que nesta quadra os nossos corações se unam e que a luz do nosso interior torne este Natal melhor. Que a força interior de cada um, ligada entre si, possa tornar o Natal possível todos os dias em nós e no mundo à nossa volta.”
Comecei a reflectir: o que Jesus dirá ao escutar estas palavras? Veio à minha memória o texto que li semanas antes “Deve ser horrível ser Deus”1, e parafraseei “Deve ser horrível ser Jesus no Natal!”
É difícil pensar que a pessoa que estamos a homenagear [supostamente], é esquecida e substituída. Já nem estou a falar do consumismo exacerbado que cultivámos, desviando o valor da celebração para o prazer materialista de um momento... Neste caso era um espiritualismo generoso, mas vazio de motivos. Auto-centrado e não Cristo-centrado.
Celebrar o Natal sem mencionar sequer o nascimento da Maior dádiva da humanidade é uma fraude! Falar do espírito do Natal sem reconhecer a fonte é plágio!
Mas... Jesus não é como nós! Espanta-me saber que esse mesmo Jesus que esquecemos num presépio, num postal, no papel de embrulho amachucado na noite da consoada, nas memórias de infância, ou mesmo no vazio, continua de mãos abertas para nos receber e fazer acontecer em nós o verdadeiro Natal!
Se Jesus nos retribuísse como nós Lhe retribuímos, a desgraça seria completa. Mas a Sua graça é maior do que a nossa desgraçada condição humana.
Somos ingratos, inconstantes, presunçosos, elitistas, orgulhosos, falsos, irritadiços, mesquinhos, depravados... e Ele é assumidamente amoroso, bondoso, justo, santo, eterno, constante, imutável. Um Deus tão oposto a nós, mas tão desejoso de Se relacionar connosco!
O mais interessante nisto tudo é que quem precisa desesperadamente d’Ele sou eu, és tu, é cada ser humano. Ele não preciso de nós... mas Ele ama-nos.
O Natal é a demonstração clara desse desejo de Deus em ser o nosso Pai e Senhor. As decisões erradas que tomamos (até em pensamento) separam-nos de viver em plenitude esse relacionamento que, realmente, nos preenche, dá força interior, e transforma-nos gradualmente em pessoas melhores.
A prenda de Deus para remover tudo o que nos separava d’Ele custou caro, mas hoje é um presente, gratuito. Jesus, o Filho de Deus, deu-Se numa vida humana e numa morte desumana para remover completamente essas barreiras, criadas por nós – o pecado.
Agradece-Lhe hoje por isso e, se ainda não recebeste este valioso presente, tens uma oportunidade. Celebra o verdadeiro Natal, não num acto exterior, mas no coração preenchido pelo amor de Deus.
“... quando Maria e José chegaram para apresentar o menino Jesus ao Senhor em obediência à lei, Simeão estava lá. E tomando a criança nos braços louvou Deus: Senhor, agora posso morrer satisfeito, pois vi aquele que tu me prometeste que veria! Vi o Salvador que deste ao mundo.” (Lucas 2:27-31, versão “O Livro”)

Ana Ramalho



1 Titulo do artigo da autoria de João César das Neves, publicado no Jornal Diário de Notícias de 22/09/08.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda