What else*...

Uma máquina de café, um piano em queda livre, uma personagem que passa para o outro lado da vida.
De seguida o anúncio mostra-nos um diálogo entre uma personagem “terrena” e outra “celestial”. Não percebemos se o imaginário dos publicitários nos traz uma tentativa de representar Deus, Pedro ou um anjo. O que percebemos, no terminus do anúncio, é que a marca de café é tão valiosa que podemos usá-la para negociar com o Céu.
Rimos no final... mas será que a cena imaginada é assim tão diferente do nosso modo de pensar?
Talvez a mentalidade religiosa que herdámos de séculos esteja mais impregnada nas nossas células do que imaginávamos. Uma vida renascida em Deus, mas uma mente com necessidade vital de ser renovada para não ficar conformada.
“Fazer negócio com Deus? Jamais...” dizemos, levantando a bandeira da graça, enquanto subimos o monte das tradições que nos aprisionavam e esmagamos por um momento a cabeça da velhinha “salvação pelas obras”. Se calhar temos mais imaginação nesta defesa enigmática que o publicitário da máquina de café em cápsulas.
Quando faço qualquer coisa para que Deus me faça uma “festinha” na cabeça e me dê um “rebuçado”, estou a fazer negócio com Deus. Quando penso que o meu currículo espiritual O vai impressionar tanto que vou ter um cargo que me leve a ter poder, estou a fazer negócio com Deus. Quando imponho condições e faço “birrinha”, estou a fazer negócio com Deus. Quando ofereço os meus bens com a expectativa de ter 10, 100, 1000 vezes mais, estou a negociar com Deus. Quando uso uma falsa humildade que esconde o orgulho do interior empobrecido, procurando obter elogios e benesses, estou a negociar com Deus.
O amor de Deus não varia, mesmo que eu avarie no caminho. A graça de Deus permanece, mesmo que eu O abandone. A fidelidade de Deus é sempre presente, mesmo quando me ausento na minha infidelidade.
Que as minhas acções sejam uma resposta ao Seu amor. Que os meus pensamentos exprimam gratidão pela Sua graça. Que o meu caminhar declare um desejo de ser fiel Àquele que me garante a Sua fidelidade.
“Tão rica é a generosidade da sua graça, que ele pagou a nossa libertação através do sangue do seu Filho, e os nossos pecados foram perdoados. Graça essa que se traduziu abundantemente nas nossas vidas em sabedoria e compreensão, sendo assim possível termos conhecimento do plano que Deus tinha arquitectado a favor da humanidade, mas que mantivera por revelar até ao momento que ele próprio marcou.” (Efésios 1:7-9, versão “O Livro”)
What else*...

Ana Ramalho

*Frase publicitária da marca Nespresso, que significa “Que mais...”


in revista Novas de Alegria, Março 2010

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”