“Restos não são uma alimentação adequada”

Este era o slogan do anúncio duma marca de comida para cães, que prometia deixá-los saudáveis (não dizia é que os donos tinham que guardar umas dezenas de euros extra para “investir” nos seus animais de estimação). A verdade é que, depois de se habituarem a comer aqueles pratos deliciosos – aparentemente – os caninos lá de casa não se contentavam com outra coisa.

E se os cães falassem, como nos desenhos animados que víamos (vimos?) quando éramos crianças? O que diriam quando aparecesse em vez do “precioso manjar da lata do super mercado” os restos de comida do almoço?

Bom, os cães não falam, mas nós falamos.... e queixamo-nos quando nos calham as sobras, os restos, aquilo que mais ninguém quer, não é?

Parece que é uma injustiça os nossos pais não terem tempo para conversar connosco porque a nossa irmã mais nova está com problemas na escola e precisa de mais atenção. Ou ficarmos como “apanha bolas” no torneio de voleibol da escola, porque não chegámos a tempo à prova de admissão para a equipa. Ou termos que dividir o computador com o nosso irmão mais novo, enquanto o mais velho tem um só para ele. Ou calhar-nos sempre a nós tratar da reciclagem lá de casa porque o pai está muito ocupado (a ver televisão).

Se temos justificação para nos queixarmos, o que dirá Deus? Quantas vezes Lhe damos apenas os restos – o pior, mais pequeno, menos interessante de nós?

Falamos com Ele antes de dormir, mas estamos mais para lá do que para cá. Escutamos a Palavra mas adiamos a mudança que tanto nos é necessária. Passamos a semana toda ocupados e não investimos uns minutos por dia para crescermos no nosso relacionamento com Ele. Não Lhe perguntamos a opinião em decisões importantes, nem nos lembramos de perceber o que Ele diz sobre assuntos banais da vida.

A relação com Deus é mais do que um compartimento na nossa vida. É uma entrega total, completa, radical e consciente de tudo o que somos, temos, vivemos. Quando damos as sobras a Deus quem perde somos nós. Perdemos a oportunidade de conhecê-Lo, nos sentirmos completos, perceber a Sua perspectiva da vida, estar em ligação directa com Ele sempre, para as opções que precisamos tomar.

“(...) Ouve, ó Israel. O Senhor teu Deus é o único Deus. Não há outro! Ama-o de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente com todas as tuas forças!.” (Marcos 12:29-30 – versão “O Livro”)

Para Deus é tudo ou nada! Não há cristãos em part-time. Ou somos ou não somos.

Estou contigo!


Ana Ramalho


in revista BSteen, Junho 2010

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda