17 julho 2011

Q.I., Q.R. ou Q.A.?

“A Alemanha quer medir a inteligência de candidatos a imigrantes. A par de uma boa formação e qualificação profissional, o partido de Angela Merkel defende a realização de testes de inteligência aos candidatos a imigrantes na Alemanha.
‘Devemos introduzir critérios que sirvam verdadeiramente o nosso Estado’, explicou Peter Trapp, membro da CDU, partido da chanceler. Como método de defesa, Markus Ferber, também membro do partido, apresenta o exemplo do Canadá que ‘exige aos filhos dos imigrantes um quociente intelectual mais elevado do que o das crianças locais’.”1
Claro que este assunto gerou polémica – e continua a gerar. Será que impor algum tipo de filtro à imigração é correcto? Não estará o país que recebe as pessoas a tomar uma atitude exclusivista, em que só alguns podem entrar – os que têm um Q.I. mais elevado?
Quando Jesus esteve fisicamente entre nós, veio inaugurar o Reino de Deus. Na época foi acusado pelos religiosos de não se dar com aqueles que tinham um Q.R. suficientemente digno. Cobradores de impostos (conhecidos por corruptos), pescadores pobres, prostitutas, cidadãos não judeus, pessoas que não seguiam os dogmas farisaicos, doentes considerados socialmente impuros, eram pessoas cujo quociente de religiosidade (Q.R.) era muito baixo – senão nulo – e esses procuravam e rodearam Jesus.
É interessante que Ele nunca procurou ninguém para o Seu Reino pelo quociente de inteligência ou quociente de religiosidade. Jesus tem outro tipo de exigências. Ele veio para aqueles cujo Q.A. era suficiente. Pessoas que reconheceram que tinham feito más escolhas ao longo da vida, que sentiam necessidade de ajuda, cura, protecção, alívio e descanso da alma. Pessoas cujo quociente de arrependimento era capaz de colocá-las com a postura certa: de joelhos, reconhecendo a sua insuficiência para gerir as áreas fracas da vida, apagar os pecados do passado, sonhar com um futuro – por mais simples que fosse.
Não são o grau elevado de Q.I., nem a altivez do “Currículo religioso impecável” que Jesus procura. Ele quer receber gente que reconhece a sua necessidade de fazer inversão de marcha nos subúrbios tortuosos da vida. Pessoas desiludidas a quem Ele possa dar a verdadeira esperança. Transeuntes descontentes com eles mesmos, que encontrem a satisfação plena e suficiente n’Ele e através d’Ele. Independentemente do passado, eles reconhecem que o presente é a oportunidade de abraçar um estilo de vida diferente, que lhes garante o melhor dos futuros – na companhia de Deus.
São esses os cidadãos do Seu Reino, aqueles cujo Q.A. é o ponto de partida. Cuja humildade, reverência e dependência do Rei se renova. Uma geração eleita por Ele, para ser separada em total devoção ao Soberano do Reino, e relacionar-se pessoalmente com o Senhor dos Senhores.
“Estas palavras de Pedro causaram tanta convicção que o povo lhe disse a ele e aos outros apóstolos: Irmãos, que devemos fazer? E Pedro respondeu: Cada um deve arrepender-se do seu pecado, converter-se a Deus e ser baptizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados.” (Actos 2:37-38a, versão “O Livro”)

Ana Ramalho Rosa

1 http://www.ionline.pt/conteudo/66821-alemanha-quer-medir-inteligencia-candidatos-imigrantes 

in revista Novas de Alegria, Julho 2011


Sem comentários: