03 janeiro 2012

TDT

“A partir de janeiro, se não tiver TDT não vê Televisão” – esta mensagem passou-nos pelos olhos e soou aos nossos ouvidos de forma persistente nos últimos meses.
Já nos habituámos à “companhia” da “caixinha que mudou o mundo”. Agora, quem não tem TV paga e não quer perder os quatro canais em sinal aberto, tem que transitar para a Televisão Digital Terrestre. Se não temos o nosso televisor preparado para receber sinal digital, temos que comprar um descodificador. Caso contrário, ligamos a TV e... “chuva”!
Não estou a fazer campanha pela TDT, mas toda esta mudança fez-me pensar no investimento, cuidado e atualização que outro tipo de ligações precisam ter.
Quanto tempo invisto nos relacionamentos? Que cuidado tenho com as pessoas à minha volta? Atualizo-me regularmente, com interesse genuíno e não para satisfação da minha curiosidade, acerca do estado da mente, saúde e coração dos meus amigos e familiares? Quantas pessoas tenho “sintonizadas” na minha vida que ainda não conhecem o amor de Deus?
Na verdade, neste corre-corre da vida moderna acabamos por viver tão centrados em nós mesmos e nos nossos compromissos que, se não temos uma atitude refletida e pensada, deixamos que dezenas de oportunidades nos passem ao lado – pessoas. Já não conhecemos os vizinhos, nem sabemos o nome da pessoa que nos atende na caixa do hipermercado. Mesmo com os que nos são mais próximos, deixamos que o tempo e os afazeres construam a distância, se não nos preocuparmos intencionalmente.
Mas isso também tem a ver com outro tipo de relacionamento – de ligação – que acaba por influenciar todos os outros. Quanto tempo invisto no meu relacionamento com Deus – em particular e em conjunto com outros cristãos? Que cuidado tenho para ter a minha amizade com o Pai “em dia”, atualizada? Abro mesmo o meu coração quando falo com Ele? Escuto com atenção a Sua Palavra, com o desejo e a disponibilidade para deixá-Lo trabalhar no meu sentir, no meu caráter, no meu pensar e agir?
Deus já investiu em mim – Jesus deu-Se no meu lugar para me substituir, pagando o preço de todas as minhas más decisões. Deus cuida de mim – quando eu me entrego a Ele de alma coração, de agenda e carteira, em tudo e em todo o tempo. Ele está sempre atualizado – tem a resposta, o conselho, a repreensão, o conforto ou o confronto, a cura ou a paciência ideal, atempada e libertadora que eu preciso para viver naquela alegria que Ele me dá, no Caminho e na forma que é mais saudável para a minha vida.
Cristo é o único que consegue suprir verdadeiramente todas as minhas e as suas necessidades, e mostrar-nos que na nossa incapacidade, Ele continua capaz, poderoso e tremendamente amoroso para nos ensinar, abençoar, ajudar, curar, libertar e, acima de tudo, salvar. É o único que nos ajuda a ver o mundo e a nós mesmos em alta definição, como ele é, sem manipulação, exagero ou meias-verdades.
Jesus “descodificou-nos” quem é Deus. A Palavra de Deus é o manual da vida, é a história da nossa história com Deus, como humanidade no geral e em tantos exemplos no particular. A nós basta-nos receber Cristo, ligar-nos a esta Palavra transformadora e permitirmos a Sua liderança, todos os dias. Esta ligação maravilhosa é a única que nos traz satisfação total interior e nos ensina a lidar com todas as outras ligações – família, amigos, autoridades, negócios, relações laborais, etc.
“Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que estiver unido comigo dá muito fruto porque sem mim nada podem fazer.” (João 15:5, versão “A Bíblia para todos”)


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, janeiro 2012


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Sem comentários: