Umbigo meu

“Umbigo meu que estás na terra, bajulado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na escola como em casa; o telemóvel de última geração acima dos 500€ de cada operador exige agora; e perdoa os meus pais, não te fazem a vontade mal pedes roupa de marca; e não me deixes esperar na tentação; mas livra-te de não agarrar tudo o que te apetece, como e quando quiseres. Porque o 'eu' é o reino, o poder é meu, e que possas fazer tudo, sem consequências. Assim é que tem que ser!”

“Adaptei” a oração-modelo de Jesus ao Pai para nos fazer pensar. Somos uma geração que exige muito, quer tudo à sua maneira, faz “birra” se não tem isto ou aquilo, se não pode viver “o momento”, da maneira que mais lhe parece bem. Só posso exigir aos outros aquilo que exijo de mim. Infelizmente às vezes exijo mais do que dou... Era bom perguntar "Umbigo meu, umbigo meu.... haverá alguém mais egoísta do que eu?"

No geral, porque felizmente há exceções, a ideia de ouvir pessoas sábias, descobrir os princípios de vida saudáveis de Deus e aplicá-los de forma prática, é mesmo o último recurso. A maioria das vezes só nos lembramos de Deus e dos mais velhos, depois de tomarmos más decisões... e não queremos mesmo que nos digam que fizemos asneira – queremos que nos “safem” da consequência. Até temos a ousadia de dizer “eu não me arrependo de nada”, como se fossemos mais espertos que o resto do planeta.

Queremos viver numa realidade virtual, na qual somos nós o centro e tudo gira à nossa volta... mas a realidade real é que as coisas não funcionam dessa maneira.  É por causa dessa ideia, tão antiga quanto a humanidade, que estamos de costas viradas para Deus e temos o resultado de um mundo complicado – todos querem “mandar”, ninguém quer ouvir e obedecer.

Mas Deus ama-nos apesar disso (não me perguntem porquê, porque é algo que não consigo compreender totalmente). Ele deseja ser o centro da nossa vida, não porque “precise” de atenção mas porque nós precisamos de direção – MESMO!

Só quando amamos Deus totalmente, e somos transformados pela Sua Palavra, no nosso pensar, sentir e agir, vamos encontrar satisfação... e aí, mudamos a nossa oração: “Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.” (Mateus 6:9-13, versão “O Livro”)

Estou contigo!


Ana Ramalho

in revista BSteen, fevereiro 2012

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”