O fanático do Star Wars

“Um britânico de 30 anos foi condenado a prisão perpétua pela morte da sua mulher, após ter confessado que a matou por asfixia depois de ela ter destruído objetos da série de filmes ‘Star Wars’ que ele colecionava desde criança. Rickie la Touche (...) disse à polícia que a mulher destruiu a sua coleção, que contava com bonecos de Darth Vader e de Luke Skywalker.” 1

Parece que o senhor La Touche e a mulher andavam ‘às turras’ e, quando ela destruiu aquela coleção, ele passou os limites e cometeu um homicídio. Já deves ter ouvido histórias bizarras como esta. Parece tirada de um filme... mas, infelizmente, é bem real.

Até podemos achar ridículo o exagero do senhor La Touche, mas a verdade é que ele levou ao extremo a “paixão” pela sua coleção, ao ponto de tirar a vida da esposa. Há pessoas que dão tanta importância às coisas que têm, ao clube de que são adeptos ou à banda que gostam que, por causa disso, são capazes de tudo.

Jesus explicou aos Seus seguidores mais próximos “Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam” (Mateus 6:19-21, versão “A Bíblia para Todos”).

O que Jesus está a dizer é que ou valorizamos Deus ou as coisas. A maneira como vivemos vai mostrar isso mesmo – onde está o nosso tesouro (onde gastamos as nossas energias, tempo, dinheiro, talentos) ali está o nosso coração (a nossa prioridade, quem/o que adoramos, colocado acima de tudo).

Atenção, Jesus não está a dizer que não deves ter coisas. O que não deves é dar mais valor às coisas do que elas têm... porque Deus, o nosso criador e Pai, merece o primeiro lugar nas nossas decisões, e toda a nossa entrega de tempo, talento, recursos, etc. É isso que significa amar “o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças” (Marcos 13: 30, versão “A Bíblia para Todos”).

Deus não obriga ninguém a amá-Lo, a viver com e para Ele... mas quando Jesus nos salva e Se torna nosso Senhor, a nossa resposta ao Seu grande amor deve ser uma vida de entrega total a Deus. Uma vida que vale mesmo a pena.

Estou contigo!

Ana Ramalho



1   g1.globo.com

in revista BSteen, março 2012

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda