A vida (não) é uma novela?

A Sara faz uma cena de ciúmes porque o Zé estava a falar com a Magda na praia. A Verónica discute com a Magda, que anda com o Ricardo. O Pedro tenta agredir a Teresa. A Alice acaba com o Marcos, que se declara... ao Nuno. Onde é que já ouviste isto? Nas cenas de uma novela...

As intrigas que acabam amizades e deixam ex-amigos de costas viradas; namoros que só valem quando vão “além dos beijinhos”; pais que são apenas amigos, mas quem manda lá em casa (e neles) são os filhos; a competição (e inveja) entre as mais produzidas ou as mais talentosas; rapazes que trocam de namorada quando se fartam (e vice-versa), ou mudam de “gosto”... e ninguém tem nada a ver com isso! No meio de conversas banais e coisas sem maldade, está o enredo que nos apela a ir até onde nos leva o coração (e as hormonas) nas novelas Pop, com sabor a verão. 

É bom ter amigos, família, namorar e estar de férias... mas há maneiras e maneira de o fazer. A maioria das pessoas (e não são só as personagens das novelas) não está muito preocupada com aquilo que faz, desde que aparentemente não se magoe ou não magoe ninguém. “Consequências? O que é isso? O que importa é que eu me sinta bem!” é o que se pensa... mas será que as coisas são assim tão simples?

Deus criou-nos para podermos aproveitar bem a vida. Mas o ser humano decidiu mal: em vez que querermos seguir e obedecer a Deus, quisemos viver à nossa maneira. Ao fazê-lo, criámos uma separação entre nós e Deus, que nos levou para bem longe d’Ele – aqui e até à eternidade. E esse afastamento levou-nos onde estamos – num planeta cheio de ódio, violência, egoísmo, dominado pelo dinheiro, o poder e o prazer... e não os “finais felizes” que nos “vendem” as novelas.

Deus pensou em tudo: na maneira de nos relacionarmos bem com os nossos amigos, no modo como pais e filhos devem viver, na altura e forma certas de um homem e uma mulher construírem uma vida a dois, etc. A tendência, por causa da nossa distância de Deus, é pensar que aquilo que Ele nos proíbe de fazer é bom, e aquilo que Ele quer que façamos, é mau... Pensamos assim porque não temos realmente conhecimento de quem Deus é, nem da fantástica vida em pleno que Ele criou para vivermos.

Talvez já tenhas entregue a tua vida a Jesus, para Ele derrubar a distância entre ti e o Pai, mas só vais compreender o Seu amor por ti e perceber como esse plano de vida que Ele pensou é bom, se O conheceres e à Sua Palavra. E ao fazê-lo, Ele vai também transformar o teu coração, dia a dia, para viveres mais e mais o Seu plano a fundo. A opção é sempre nossa: ou vivemos uma novela com o nosso guião, ou vivemos o guião de Deus. O d’Ele tem sempre um final feliz!

“Não vivam de acordo com as normas deste mundo, mas transformem-se, adquirindo uma nova mentalidade. Assim compreenderão qual é a vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que lhe é agradável e o que é perfeito.” (Romanos 12:2, versão “A Bíblia para Todos”).

Estou contigo!

Ana Ramalho


in revista BSteen, agosto 2012


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda