Boas notícias

Se há 70 anos o mundo precisava de boas notícias... o que diremos dos dias de hoje!
Torna-se cansativo ler, escutar ou ver as notícias do dia. Parece que à nossa volta não há nada de agradável a acontecer! O facto é que boas notícias existem... mas, boas ou más, elas são efémeras. Hoje são verdade, amanhã estão desatualizadas.
Na realidade, a única Boa Notícia que não muda e continua válida, permanece poderosamente transformadora. Está carregada do amor perdoador e da justiça divina. Está repleta de esperança e segurança. Está munida de verdade e graça – para todos os que a desejam aceitar como real, essencial e viva: “Deus amou de tal modo o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crer não se perca, mas tenha a vida eterna. Não foi para condenar o mundo que Deus lhe enviou o seu Filho, mas sim para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho único de Deus.” (João 3:16-18, BPT)
A igreja nascente partilhou esta mensagem. Ao longo dos séculos, homens e mulheres foram e continuam sendo transformados pelo poder do Evangelho – das Boas Notícias de Deus para a Humanidade.
Nesta edição especial em que celebramos os 70 anos da revista Novas de Alegria, agradecemos a Deus porque as Boas Notícias foram através das suas páginas fielmente espalhadas por muitos recantos do planeta, em que se fala a língua portuguesa.
Num mundo bem diferente do de 1943, esta revista continua a trazer esperança através de testemunhos, artigos e reportagens. Que possamos valorizar e utilizar este meio que Deus tem colocado nas nossas mãos, para fomentar a unidade das igrejas, à volta dos mesmos propósitos: levar a mensagem de salvação a todos, fortalecer a fé dos cristãos, divulgar aquilo que Deus está a fazer no meio da Sua igreja.
 Que melhor notícia poderíamos trazer ao nosso país? Que melhor conteúdo poderíamos oferecer àqueles que estão sem esperança, sem paz, desiludidos, tristes, abatidos, doentes, presos a dependências, reféns do abuso do passado? Uma mensagem de reconciliação, esperança e salvação. Esta é a mensagem que temos espelhado mês após mês nas páginas desta revista: “Deus, por meio de Cristo, reconciliou consigo a Humanidade, não tendo em conta os seus pecados e encarregando-nos de anunciar a palavra da reconciliação. Portanto, somos embaixadores de Cristo e é Deus que exorta por nosso intermédio. Em nome de Cristo vos pedimos, irmãos, que se reconciliem com Deus. Cristo não tinha cometido pecado, mas Deus, para nosso bem, tratou-o como pecador para que nós, em união com ele, pudéssemos ser considerados justos por Deus.” (2 Coríntios 5:19-21, BPT)


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, janeiro 2013


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”