De cabelos em pé!

Há tempos vi na TV uma coisa me deixou os “cabelos em pé”. Um grupo de rapazes fazia a travessia de um arranha céus para o outro mas, em vez de usar a passadeira, resolveu esticar uma corda e fazer trapezismo a não sei quantos metros de altura. Eu, que tenho vertigens, nem queria imaginar a sensação. É verdade que havia uma corda de segurança... mas e se ela se partisse?

Todos temos medos. Medo do escuro, de alturas, de espaços amplos. Medo de ser gozado na escola, de ser rejeitado pela pessoa do sexo oposto com quem queríamos tanto namorar. Existem medos saudáveis, quando tem a ver com por em risco a nossa saúde ou da nossa vida. Os medos podem ser paralisadores. Por outro lado, a demasiada valentia pode ser terrível.

Há alturas em que Deus nos desafia para investirmos mais tempo na vida de outras pessoas, mas como temos medo de perder o nosso conforto, preferimos virar as costas a Deus e viver para o “nosso umbigo”. Por outro lado, podemos “atirar-nos de cabeça” para as situações, sem orar, pensar, nem pedir conselhos. Só porque quem nos convida para a festa é alguém popular. Só porque ele ou ela é o rapaz ou a rapariga dos nossos sonhos, independentemente da vontade de Deus. Só porque nos apetece.

Podemos viver à nossa maneira. Aí todos os medos são válidos porque quando avançamos “sem rede” podemos estatelar-nos no chão das nossas más decisões. Mas podemos convidar Jesus para ser o nosso Guia, a pessoa a quem seguimos, por quem estamos prontos a entregar tudo! Quando isso acontece, mesmo que venham lutas e desafios, agarrados à Palavra de Deus, que nos orienta nas pequenas e nas grandes decisões, sabemos que Deus não mente. Ele diz: “Não tenhas medo, porque estou contigo; não te aflijas, porque sou o teu Deus. Eu torno-te forte, ajudo-te, protejo-te com a minha mão direita vitoriosa.” (Isaías 41:19, BPT)

Estou contigo!


Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, março 2013

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda