A vida não é um circo!

De todos os artistas de circo os que me impressionam mais são os que engolem e cospem fogo. É uma arte que exige muita técnica e cuidado. Como se diz: “Quem brinca com o fogo, queima-se”. Aqueles artistas sabem-no bem. Mas o ditado popular diz-nos mais: quando se brinca com coisas sérias, normalmente o resultado não é o melhor.

Na adolescência gostamos de experimentar coisas novas. Isso é normal. Mas, é preciso cuidado. Muitas vezes as nossas atitudes vão longe de mais e podemos magoar-nos a nós, aos outros, e, pior de tudo, não agradarmos a Deus. Pode começar como uma brincadeira, como um incêndio começa com uma pequena chama.

“Era só uma passa...” mas meses depois já estás a tirar dinheiro às escondidas aos teus pais para comprar. “Era só uma brincadeira...” mas desde esse tal “jogo do copo” coisas estranhas acontecem em tua casa...

“Era só um clip de 2 minutos...” mas, tempos depois já estás tão agarrado à pornografia que não consegue passar por uma rapariga sem pensar no que poderia acontecer. “Era só uma festa...” mas, depois daquela primeira bebida que o rapaz giro te ofereceu, não te lembras de mais nada. Só de acordar suja, abusada e perdida numa casa abandonada.

A vida não é um circo e tu não precisas ser um “malabarista” que brinca com aquilo que perece mais apetecido por ser proibido. Tem cuidado para que não sejam as tuas emoções, aquilo que “toda a gente da escola faz” ou “o contrário daquilo que os meus pais me dizem” a determinar como deves agir. Pede conselhos aos teus pais. Eles querem o melhor para ti. Procura conhecer a fundo a vontade de Deus para tudo, através da Sua Palavra. O Seu caminho é sempre o melhor para nós.

“Confia no Senhor de todo o teu coração: não te fies na tua própria inteligência. Apoia-te nele em tudo o que empreenderes e ele te mostrará como deves agir.” (Provérbios 3:4,6, BPT)

Estou contigo!

Ana Ramalho Rosa


in revista BSteen, abril 2013

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”