Ataques cardíacos? - versão 2013

Será que a “dor de amor” causa um efeito parecido com o de um ataque cardíaco? Há um estudo que diz que sim.

Esse estudo explica que ouvir uma notícia triste ou chocante pode provocar numa pessoa sintomas semelhantes aos de um ataque cardíaco - dores no peito, fluído nos pulmões, dificuldade de respirar, etc. Em outras palavras, a “dor de amor” existe e é séria, afirma um estudo feito há uns anos por uma equipa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, publicada no New England Journal of Medicine.

A investigação sugere que a má notícia pode levar a um aumento de adrenalina na circulação, e de outras hormonas ligadas ao stress, fazendo com que o coração fique "atordoado". Segundo os cientistas, esse excesso de hormonas do stress pode ser tóxico para o coração. Para os "corações partidos", um alento: os especialistas dizem que eles normalmente podem ser "reparados" durante apenas algumas semanas.1

À FLOR DA PELE
O termo “coração”, na Bíblia, refere-se diversas vezes às nossas emoções e sentimentos. Tal como precisamos de cuidar do nosso “coração físico”, também devemos tratar do nosso “coração emocional”.

Na adolescência e juventude as emoções estão ao rubro. Isto reflecte-se na forma como nos relacionamos connosco, com Deus e com os outros, quer seja nos nossos relacionamentos familiares ou de amizade, quer nos relacionamentos românticos (ou pseudo-românticos).

Alegra-te, jovem, com a tua juventude! Goza cada minuto dela! Faz tudo o que tiveres planeado. Mas não te esqueças que terás de dar conta a Deus de cada coisa que fizeres. Evita pois aquilo que provocar desgostos e sofrimento; lembra-te que a juventude, com toda uma vida por diante, passa como um vento. Lembra-te do teu Criador na tua mocidade, antes que venham os maus anos- em que já não tenhas prazer na vida.(Eclesiastes 11:9 - 12:1, OL). O sábio Salomão diz “Podes escolher o que fazes com os desejos do teu coração, mas cuidado que tudo o que fizeres tem as suas consequências... o melhor mesmo é viveres para Deus.”

NÃO CONFIES NAS TUAS EMOÇÕES
Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas” (Jeremias 17:9 a, ARC) Antes de mais, precisamos compreender que as nossas emoções são variáveis, como um termómetro que muda conforme a temperatura, por isso, não nos podemos guiar por elas… caso contrário enganamo-nos a nós próprios, e somos “obrigados” a mudar de direção apenas “porque sentimos”.

CUIDA DO TEU CORAÇÃO
“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração” (Provérbios 4:23) Somos surpreendidos por diversas situações que geram sofrimento. Às vezes, capítulos da vida bem complicados. O conselho de Salomão é termos cuidado com o nosso coração. O que é fundamental para cuidarmos das nossas emoções?

A) TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL - Para isso, temos a Palavra de Deus, a Oração e o Espírito Santo. Ao “comermos” diariamente doses consideráveis da Sua Palavra, estamos a controlar a nossa “tensão emocional”. E quantas vezes o Espírito Santo nos traz paz e calma para enfrentar as mais diversas situações, quando oramos? (Lê 1 João 2:14; Efésios 6:18). Precisamos que o Espírito Santo trabalhe as nossas emoções de forma a que elas não acabem por nos controlar, mas Ele produza em nós um caracter que agrade a Deus, no qual tenhamos autocontrolo (Gálatas 5:22-23).

B) EVITAR FACTORES DE RISCO – Não “brincar” com o pecado, nem “testar limites”. João aconselha: “Deixem de amar este mundo mau e tudo quanto ele vos oferece porque se amamos o mundo mostramos que não temos o amor do Pai em nós. Porque tudo isto que existe no mundo - os desejos corruptos da natureza carnal, a sede de ter o que nos atrai o olhar, assim como o orgulho da posse e do poder - não vêm de Deus, mas faz parte da própria vida no mundo. E este mundo passará, com toda a sua corrupção, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” (1 João 2:15 a 17, OL)

C) IR REGULARMENTE AO “MÉDICO” – Deus quer escutar-nos e curar o nosso coração (Isaías 59:1), Ele deseja orientar-nos nas nossas pequenas e grandes decisões (Provérbios 3:5 e 6). O Pai cuida de nós como ninguém (1 Pedro 5:7)!

Precisamos estar atentos a nós mesmos e não ter vergonha de pedir ajuda. É fundamental buscarmos ajuda em Deus e na Sua Palavra, sempre. Com Ele conseguimos suportar melhor os problemas. Mas podemos também precisar de ajuda de conselheiros cristãos ou até, se necessário, ter o auxílio de um profissional.

O melhor a fazer é confiar plenamente a nossa vida nas mãos de Deus, amando-O acima de todas as coisas e, por isso, procurando viver de acordo  com a Sua vontade. Passarmos tempo a conversar com Ele, em comunhão… e também estarmos com os nossos irmãos. Saber o nosso lugar neste mundo, como servos e servas de Deus, através de uma vida diferente, uma vida que fale mais do que as nossas palavras.

Ana Ramalho Rosa



1 Fonte: Canal Saúde, www.sapo.pt


in revista BSteen, outubro 2013. Texto original da revista Novas de Alegria, suplemento NAJovem, Março 2006. Adaptado


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda