29 janeiro 2014

Acreditas?

Boatos, rumores, mexericos. Nos corredores das empresas, da política, da comunicação social e das redes sociais, fala-se muito e de muita coisa... mas nem sempre a história que nos é contada corresponde a toda a verdade, quando não é uma autêntica invenção.
Há tempos atrás circulou da internet uma história acerca de um pastor norte-americano que se fez passar por sem-abrigo no dia em que tomava posse como novo pastor numa determinada igreja. A “notícia” vinha acompanhada de uma imagem híper realista de um sem-abrigo identificado como o referido pastor. Muitas pessoas partilharam a história nas redes sociais, inocentemente, sem verificar fontes.
Após alguma pesquisa, descobri que se tratava apenas de uma “parábola” contada pelo pastor, inspirada por uma história, essa sim verídica, de um pastor que passou uma semana a viver como sem-abrigo. E a foto não correspondia à pessoa em questão.
Precisamos ter muita atenção, pois nem tudo o que se diz pode corresponder à verdade... e Lucas, o médico-repórter, sabia disso.
Excelentíssimo Teófilo: Escreveram-se já várias narrativas sobre Cristo, em que se usaram relatos que nos foram feitos pelos que viram o que aconteceu desde o início e que se tornaram mensageiros da boa nova de Deus. Pareceu-me, contudo, que seria bom ordenar todos esses relatos, dos mais antigos aos mais recentes, e, após um exame completo, dar-te este resumo desses factos que aconteceram no nosso meio,  para fortalecer a tua confiança na verdade de tudo o que te foi ensinado.” (Lucas 1:1-4, OL)
Ao fazer uma investigação pormenorizada acerca de vida de Cristo, Lucas trouxe até Teófilo um relato cheio de provas, com recurso a testemunhas oculares, etc. Um “exame completo”.
De facto as boas notícias dos Evangelhos são incríveis demais! Temos um Salvador amoroso o suficiente para viver em nosso lugar, mas sem pecar; poderoso o suficiente para vencer o pecado e a morte em nosso lugar; compassivo o suficiente para dar a vida até por aqueles que O mataram.
João explica “Jesus fez ainda diante dos seus discípulos muitos outros sinais que não vêm neste livro. Estes foram aqui contados para que creiam que Jesus é o Messias, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenham vida no seu nome.” (João 20:30-31, BPT)
Assim, quando lemos o registo de Lucas ou João, assim como dos outros dois evangelistas, somos confrontados com pormenores da vida, palavras e ação de Jesus com o objetivo de conhecermos os factos, mas também a pessoa que sendo Deus Se fez homem para palmilhar este mundo e dar a vida no nosso lugar; e, ao conhecê-Lo, colocar a nossa fé inteiramente n’Ele, reconhecendo-O como Filho de Deus, Salvador e Senhor das nossas vidas. Não são boatos rasos, nem histórias sincretistas, notícias adocicadas ou relatos especulativos, mas um registo de factos e testemunhos.
Desde aquele tempo até aos dias de hoje, milhares de cristãos têm servido de testemunhas daquilo que Cristo continua a fazer. E milhares continuam a aceitar o desafio proposto por João: ao crer em Cristo, recebem a verdadeira vida, entram no único caminho para o Pai, e conhecem a maravilhosa verdade que liberta.
E nesta boa notícia podemos acreditar, sem reservas.


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, janeiro 2014

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Sem comentários: