12 junho 2014

“Se vale ‘X’...”

Antigamente, para se fazer uma compra íamos ao mercado, a uma loja ali na esquina ou ao Centro Comercial. Hoje, podemos comprar e vender tudo (ou quase tudo) na Internet.
Os sites de compra e venda por particulares, de coisas usadas ou novas, estão na moda. Precisamos ter certos cuidados quando os usamos, mas, quando tomamos as devidas salvaguardas, e a oportunidade é boa, podemos fazer bons negócios.
Convém a troca ser feita num local público, de preferência acompanhados por outra pessoa. Depois do negócio fechado, paga-se o que se compra (ou recebe-se o valor do que se vendeu). Provavelmente, nunca mais vamos voltar a ver aquela pessoa, a não ser se voltemos a comprar-lhe/vender-lhe alguma coisa. Um sorriso, um aperto de mão e cada um segue o seu caminho, contente com o que ganhou no processo.
O que me leva a falar sobre este tema? Talvez pareça ousado, mas penso que muitas vezes tratamos Jesus da mesma maneira com que lidamos com um vendedor ou um comprador das vendas online.
É verdade que a salvação não pode ser paga pelo nosso bolso corrompido pelo pecado, e também é verdade que Jesus não nos “vende” a salvação... o que torna a situação de ingratidão grave.
Recebemos a salvação quando conhecemos Jesus. Arrependemo-nos  dos nossos pecados, das nossas más escolhas, reconhecemos a nossa necessidade de perdão e que Jesus fez o sacrifício em nosso lugar. Somos salvos, ficamos felizes com o “negócio.” E depois? Depois, Jesus fica como alguém que nos foi útil para resolver um problema nosso, respondendo à nossa maior e mais importante carência – salvação, nova vida e integração na família de Deus.
Se após esse encontro passamos a viver do mesmo modo, sem pensar naquilo que Ele deseja que sejamos, não é verdade que estamos a tratá-Lo como alguém com quem apenas nos cruzámos uma vez, fizemos um negócio e cada um seguiu com a sua vida?
De que vale dizer que sou cristã se, de facto, vivo como se Cristo não existisse ou só existisse para me dar a salvação, para me curar ou para me ajudar em algum outro problemas? De que importa parecer “espiritual”, ter postura impecável, se não me importo com o que a Sua Palavra diz? De que vale sentar-me numa Casa de Oração se não tenho uma conversa aberta e franca com Deus, cada vez que oro, em nome de Jesus, de quem já ouvi falar mas não a quem conheço na realidade?
Jesus lidou com algo parecido quando esteve entre nós. Curou dezenas de pessoas, ressuscitou Lázaro, entre outros, salvou tanta gente. Mas quantos realmente O seguiram? Quantos foram agradecidos de verdade, ao ponto de deixarem as suas preferências e tornarem-No na sua grande prioridade? Quantos O acompanharam no momento da Sua caminhada até ao Gólgota, onde foi morrer pelos pecados de todos nós?
Preciso aprender com o bom exemplo de um ex-leproso, que soube ser grato a Jesus, em todos os sentidos. “Prosseguindo no seu caminho para Jerusalém, chegaram aos limites da Galileia com Samaria. Quando entraram numa aldeia dali, dez leprosos pararam à distância bradando: Jesus, Mestre, tem pena de nós! Olhando para eles, Jesus disse: Vão mostrar-se ao sacerdote. Enquanto iam a caminho, constataram que a lepra desaparecera.
Um deles voltou a procurar Jesus e lançando-se no chão diante de Jesus com o rosto em terra, dava em alta voz louvores a Deus e agradecia o que lhe tinha feito. Este homem era um samaritano.
Então Jesus perguntou: Não eram dez os homens que curei? Onde estão os outros nove? Só este estrangeiro é que volta para dar glória a Deus? E disse para o homem: Levanta-te, podes ir. A tua fé te salvou.” (Lucas 17:11-19, OL).


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, junho 2014

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Sem comentários: