Connosco... e contigo!

Ando há várias semana a pensar no que escrever este mês, por duas razões. A primeira é que, depois de 5 anos a abrir a BSteen com este texto (Contigo), vou-me dedicar às outras páginas da revista (pelo menos de vez enquando) e dar lugar ao Ricardo, com as suas Krónicas. A segunda é que dezembro é aquele mês especial em que falamos da Pessoa mais especial que já palmilhou esta terra.

Eu poderia ter falado o ano inteiro acerca dessa Pessoa. É verdade que falei de várias histórias que encontramos na Bíblia, das suas lições, exemplo e inspiração. Mas, pensando bem, tinha muito para dizer sobre Ele – Aquele que lembramos por esta altura, Jesus.

Talvez as luzes das ruas e os enfeites da árvore, os “comes e bebes” e a reunião da família nos distraiam daquilo que realmente é importante – o nascimento de Jesus. E, o homenzinho de barbas brancas que é tão popular por estes dias nos faça pensar mais para os presentes que queremos receber, do que do maior dos presentes – Jesus.

“Deus amou de tal modo o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crer não se perca, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16, BPT)

Se pudéssemos abrir a Bíblia e o coração, e deixar que Deus nos mostrasse a importância do nascimento, vida, morte e ressurreição de Jesus! Ele é  a maior prenda que foi entregue à Humanidade. Um presente que Se deu por nós. Uma oferta que custou caro ao Pai, mesmo que a nós seja dada gratuitamente.

Viver com Ele e para Ele é a melhor vida que se pode ter. E, se tomares a decisão de seguir Jesus, e aceitá-Lo como Aquele que governa a tua vida, então podes ter a certeza que Ele tem uma palavra a dizer: “Estou contigo!”

“Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: A virgem ficará grávida e dará à luz um filho que se há de chamar Emanuel. Emanuel quer dizer: Deus está connosco.” (Mateus 1:22-23, BPT)


Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, dezembro 2014

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”