Expectativas

Quais as vossas expectativas para 2015? Uma pergunta. Algumas respostas. Talvez tantas quantas as pessoas que a leram.
Há no ar uma necessidade de mudança no fechar de um ano e no abrir de uma nova página da vida, cheia de oportunidades. Talvez “porque sim”, ou porque realmente haja um grito por algo novo que nos roube a mesmice, o vazio, e traga a realização que sempre sonhámos mas nunca alcançámos.
Por nos habituarmos às resoluções de fim/início de ano inacabadas talvez estranhemos que alguém as concretize realmente, passando da teoria à prática. E talvez essa seja uma boa desculpa para não termos objetivos, rendendo-nos à passividade de quem vê os dias passar, à espera que tudo mude, sem que tenham necessidade de fazer seja aquilo que for.

Entramos, assim, num ano novo. Uns com esperança, outros nem por isso. Com muita, alguma ou nenhuma expectativa - seja ela realista ou não.
Li acerca de um homem que tinha uma boa intenção e muita expectativa... mas a expectativa errada. Ele foi ter com Jesus e questionou-O: o que teria ele que fazer para herdar a vida eterna? Depois de alguns minutos de conversa, “Jesus olhou para ele com amizade e afirmou-lhe: ‘Ainda te falta uma coisa. Vai, vende o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois segue-me.’ Ele ficou triste com aquelas palavras e foi-se embora desgostoso, pois tinha muitos bens.
Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes: ‘É muito difícil os ricos entrarem no reino de Deus!’ Os discípulos ficaram perturbados com aquelas palavras. Mas Jesus acrescentou: ‘Meus filhos, como é difícil entrar no reino de Deus! É mais fácil um camelo passar pelo fundo duma agulha do que um rico entrar no reino de Deus.’
Os discípulos estavam cada vez mais admirados com o que ouviam e perguntavam uns aos outros: ‘Nesse caso, quem é que se pode salvar?’ Jesus olhou para eles e afirmou: ‘O que é impossível aos homens, a Deus não é; pois para ele tudo é possível’.” (Marcos 10:21-27, BPT)
O objetivo daquele homem era nobre, mas ele estava à espera de outra resposta. Pensava que deveria ser ele a fazer alguma coisa que não implicasse largar nada, para ir para o Céu. Esta era a sua expectativa. Aquilo que Jesus lhe pediu foi algo mais profundo: o seu coração.
O problema, não eram as riquezas em si, mas o facto dessas posses serem aquilo que ele mais amava. Jesus queria dar-lhe uma vida plena, cheia de alegria e paz, mas para isso ele tinha que escolher entrega-Lhe o trono da sua vida. No fundo, Jesus queria ir além das suas expectativas.
Hoje, Jesus faz-nos o mesmo desafio. Que deixemos de lado aquilo que governa o nosso coração – seja o nosso “eu”, a família, a carreira, o clube x, y ou z, etc. – e Ele passe a ser o centro da nossa vida. Não apenas um SOS, mas O primeiro a procurarmos tanto nas nossas decisões, como no nosso dia a dia.
Que sonhos, projetos, ambições ou alvos para este novo ano? Podemos e devemos ter uma só expectativa em relação a Jesus – Ele sabe o que é melhor para nós. Não que seja errado ter planos, alvos, sonhos, mas em todas estas coisas devemos ter o coração aberto, colocando em prioridade Aquele que precisa ser o nosso Guia, todos os dias.
“Deem pois prioridade ao seu reino e à sua justiça e Deus cuidará do vosso futuro. Não se preocupem com o dia de amanhã. O dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta cada dia o seu mal.” (Mateus 6:34, BPT)


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, janeiro 2015
Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda