Ele ama-te!

Já ouviste falar do Josh Groban? É o autor de uma música chamada “You are loved (Don’t give up)”, que em português, dá qualquer coisa como “Tu és amado (não desistas)”.

À partida, pode soar a algo extremamente sentimental ou fofinho, daquele tipo de música boa para se ouvir no Dia dos Namorados. Mas não tem grande coisa a ver com isso… Sim, a música fala de amor e até podia funcionar como uma balada. Mas o foco principal está em amarmos o próximo e estarmos disponíveis para ajudar.


Já não é de hoje, mas a verdade é que todos nós queremos ser compreendidos. E todos nós precisamos de alguém que nos ame e que nos ajude. Por vezes, e como escreveu o Groban, parece que temos o peso do mundo às nossas costas e a nossa vida custa a viver. Não temos prazer na escola, não nos sentimos tão bem com os amigos, nem a comida bem… Vivemos tristes porque falta alguma coisa. O nosso coração tem um espaço por preencher e não sabemos com o quê. Por causa disso, muitas vezes tentamos preenchê-lo com tudo, menos com o que devemos. O peso do mundo aumenta, sentimos mais solidão e custa mais ainda viver.

Mas a notícia fantástica está noutra letra, noutro texto. Um texto que fala de amor total, um amor que ninguém entende. Um amor bom, puro, que nos liberta. Um pouco à imagem desta música, um amor que nos escuta, que nos levanta, que nos ilumina. Um amor profundo e intenso, antigo, estável e confiável. Um amor que tudo suporta, que é paciente e não desconfiado. Um amor divino e sem igual. Este é o amor de Deus! E esse amor transforma-nos, ensina o nosso gostar a transformar-se em amar. E a amar como Ele nos ama, de maneira a que não seja interesseiro ou oportunista. Queres saber como é o amor de Deus? O amor d’Ele é assim:

O amor é paciente e prestável. Não é invejoso. Não se envaidece nem é orgulhoso. O amor não tem maus modos nem é egoísta. Não se irrita nem pensa mal. O amor não se alegra com uma injustiça causada a alguém, mas alegra-se com a verdade. O amor suporta tudo, acredita sempre, espera sempre e sofre com paciência. O amor é eterno.” (1 Coríntios 13:4-8, BPT)

Desfruta deste amor, escolhe Deus como Pai e Jesus como Salvador. Deixa-O amar-te total e eternamente. Confia o teu coração a quem não o vai magoar, mas pelo contrário, a quem o vai tratar bem todos os dias. Não há amor como este!

Ricardo Rosa



in revista BSteen, fevereiro 2015


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda