Malas e caixotes

Caixas e mais caixas. Caixotes e mais caixotes. Mudar de casa é o “cabo dos trabalhos”.

Se já tinha mudado de casa várias vezes em solteira e deu trabalho, agora casada e com um filho, o trabalho quase triplicou! Parecia que não tínhamos “grande coisa”, mas atrás da porta daquele roupeiro estava um mundo... de roupa, dentro da gaveta da cómoda estava uma galáxia... de lençóis e nas prateleiras do escritório um autêntico universo... de livros (muitos livros).

A verdade é que mudar de casa envolve gerir estas e outras complicações e algumas burocracias. Mas é uma boa oportunidade para fazermos uma “limpeza” no que acumulámos ao longo dos anos. Dar algumas coisas que já foram úteis mas neste momento são dispensáveis e servem apenas para ocupar espaço, tão precioso para arrumarmos aquilo de que realmente necessitamos.


O título de um dos meus livros preferidos, Aliviando a bagagem, de Max Lucado, vem ao meu pensamento muitas vezes, quando faço as malas para uma viagem ou quando fecho mais um caixote numa mudança de casa. O título do livro diz tudo... aliviar a bagagem, tirar o que não é necessário, retirar pesos a mais... É uma meditação inspirada nas palavras de David no Salmo 23 que, nos primeiros versículos, afirma: “O Senhor é o meu pastor, por isso nada me faltará. Faz-me descansar em verdes pastagens. Guia-me calmamente até ribeiros tranquilos. Dá novas forças à minha alma. Conduz-me pelos caminhos da justiça, para que eu honre o seu nome.” (Salmo 23:1-3, OL)

Por vezes deixamos que outros senhores sejam os nossos pastores... outras coisas ocupem o lugar de Deus na nossa vida. Esses hábitos, distrações, pessoas e/ou coisas vão ser mais um peso a carregar. Sendo eles os senhores da nossa vida, vão levar-nos para outro tipo de lugares, para outro tipo de situações. A nossa alimentação não será aquela que nos fará melhor.

Quando nos deixamos guiar pelo nosso ego, ou simplesmente pelo “vento” das vontades alheias, do mundo à nossa volta, da pressão social, mais cedo ou mais tarde vemo-nos no meio de águas agitadas e não junto a ribeiros tranquilos. Ficamos cansados de lutar com aquilo que carregamos e vivemos... em vez de termos um lugar onde recuperar as nossas forças – no aconchego do Pastor.

É verdade que por vezes passamos pelo vale, sem que façamos por isso. Mas temos a promessa que, se o Senhor é mesmo o nosso guia, o nosso Pastor, então Ele estará connosco no meio dessas circunstâncias adversas (v. 4).

 Venha o que vier, quando Ele é o nosso Pastor, podemos afirmar que, “Sem dúvida que a tua bondade e a tua misericórdia me hão de acompanhar todos os dias da minha vida, e habitarei na tua casa para sempre.” (Salmo 23:6, OL)

Precisamos abrir as malas, os caixotes do nosso coração, do nosso dia-a-dia, das nossas escolhas e sentimentos, e deitar fora aquilo que nos tira a paz e a alegria de viver com Cristo e para Cristo. Largar as malas da autoconfiança, do protagonismo, do orgulho, da falsa humildade. Pôr no lixo as caixas com mágoas, ressentimentos, ódio, maldade, falsidade, mentira, inveja, raiva e medo.
Precisamos deixar de queremos ser guias de nós mesmos, e que Ele, o Bom Pastor, seja aquele que nos orienta, ampara e acompanha. Jesus disse: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor sacrifica a vida pelas ovelhas.” (João 10:11, OL)


Ana Ramalho Rosa


in revista Novas de Alegria, abril 2015


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda