Carga de trabalhos

Trabalhar dá trabalho. Mas que verdade, certo? E na fase em que a maioria de vocês está, começam (ou pelo menos já deviam ter assim uma ideia pequena, mesmo que seja microscópica) do que “querem fazer quando forem grandes”.

Todos nós passamos pelo mesmo! A pressão social para escolhermos o nosso futuro já começa cedo. Clubes de futebol contratam futuras estrelas com 11 anos, existem escolas em que o ensino é tão especializado que vem quase desde a pré-primária, enfim…

Mas, e no que toca à Igreja? Sim, a Igreja! O que é que estás a fazer? Existe também um processo em que aprendemos, quando nos reunimos para orar, para estudar as Escrituras, para aprendermos mais na Escola Dominical. Mas também existe uma altura de meter a mão na massa, de fazermos a nossa parte. E não se trata de aquecer cadeiras ou de ser um frequentador profissional de reuniões.


Quando Paulo nos diz para sermos imitadores dele, tal como ele era de Jesus, não se limita ao comportamento como crente. Mas também ao servir. Servir dá trabalho. Servir cansa. Servir requer de nós, pode mesmo “tirar-nos” alguma paciência e fazer-nos andar nas horas, porque lidamos com pessoas imperfeitas que julgávamos ser tudo menos isso (Provérbios 27:17). Servir é ser um tijolo no Templo que é a Igreja viva de Cristo, é ser mais uma célula que sente no Corpo que é a Igreja (1ª Coríntios 12:12-14), é ser a ponte pela qual o Evangelho é levado a quem ainda não o recebeu (1ª Pedro 2:9). Quando servimos na igreja local, estamos a servir a Igreja Universal. E pegando numa frase do Gladiador “O que fazemos na vida, ecoa pela eternidade”.

Servir é dar a vida como Jesus (Mateus 20:28), e isso é uma carga de trabalhos. Porque isso nos leva a fazer as coisas por amor, lembrando o exemplo de Jesus e agindo como sendo os menores e não os maiores (Lucas 22:26).

Dá trabalho, tira o sono, cansa o corpo, muitas vezes não trás reconhecimento, podemos ser até mal vistos. Mas servir é progredir, é crescer e assumir. Segue a dica de Paulo aos Efésios e carrega-te com o bom trabalho de servir a Cristo!

“Mas proclamando a verdade com amor, cresceremos em todos os sentidos para Cristo, que é a cabeça. É nele que todo o corpo se mantém firmemente unido pelas articulações que o sustentam e de cada uma delas recebe força para ir crescendo em harmonia.” (Efésios 4:15,16 BPT)

Ricardo Rosa


in revista BSteen, maio 2015

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”