O que tens nas tuas mãos?

É uma das maiores e mais conhecidas igrejas do mundo e eu tive oportunidade de estar lá, na maior Conferência da Austrália (com mais de 30 000 pessoas). Equipas de louvor brutais, uma comunicação do melhor que há, uma organização espetacular... Ao regressar pensava “se eu tivesse os meios que eles têm...”

A verdade é que, muitas vezes, achamos que aquilo que podemos fazer é pouco porque aquilo que somos e temos é tão pequeno... mas Deus tem uma outra visão das coisas.


Lembras-te da história de Moisés? Deus guardou-o quando o Faraó decidiu que todos os bebés israelitas do sexo masculino seriam mortos. Moisés acabou por ser educado pela sua própria mãe, no palácio, onde a filha do Faraó o recolheu e tratou como filho. Já adulto, Moisés quis ajudar o seu povo, mas pelos seus próprios meios. Acabou por matar um egípcio e, quando foi descoberto, fugiu para o deserto, onde se tornou pastor e casou.

E o Senhor disse-lhe: Que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara.” (Êxodo 4:2, ARC)?

Esta passagem é um excerto da longa conversa que Deus teve com Moisés quando o chamou para ser o líder que iria levar o povo da escravidão egípcia para terra prometida. Moisés apresenta diversas desculpas mas Deus contra argumenta, mostrando que estará com o Seu servo nessa importante missão.  Um desses argumentos de Deus como resposta a Moisés é uma pergunta simples mas importante “O que é isso na tua mão?

Cada um tem o que tem nas suas mãos
Deus disse claramente a Moisés para olhar para o que estava na sua mão, não na mão dos outros. Embora Ele colocasse ao lado de Moisés o seu irmão Arão para ajudá-lo, nomeadamente no tocante às dificuldades de expressão verbal, Ele escolheu especificamente Moisés para liderar (Êxodo 4:14 a 16).

Arão tinha uma vara na sua mão e Deus fez milagres com ela (Êxodo 7:10 a 13; 8:16 a 18), mas era aquilo que estava nas mãos de Moisés que Deus queria usar para mostrar ao povo a sua autoridade como líder (Êxodo 4:1 a 5), apesar das suas limitações.

PARA PENSAR: Deus não está preocupado com aquilo que não és nem com aquilo que não tens, mas com o teu potencial, ao deixares que Ele te transforme e te use, com o que és e tens.

Deus usa poderosamente o que temos nas nossas mãos quando obedecemos
Tanto durante o processo de “negociação” com o Faraó como na travessia do deserto, Moisés usou aquela mesma vara muitas vezes de maneira poderosa. Por exemplo, nas pragas do Egito (Êxodo 7:17), para abrir o Mar Vermelho (Êxodo 14:16) ou para dar de beber ao povo (Êxodo 17:6). Quando Moisés obedeceu ao desafio inicial de Deus, viu cumpridos feitos poderosos maiores que a pequena demonstração de poder que Deus fizera naquela primeira conversa.

PARA PENSAR: Escutar a voz de Deus é essencial, mas é necessário cada um de nós passar à ação... e não esperarmos as condições perfeitas nem as tarefas que nos podem dar mais prazer ou popularidade. É preciso fazer o que está à nossa mão. O poder de Deus que opera através de mãos disponíveis, por mais pequeno ou simples que seja o nosso talento.

AS nossas mãos têm as marcas da nossa identidade
As mãos de Moisés eram diferentes das de qualquer outro homem. As impressões digitais diferem de pessoa para pessoa e marcam a sua identidade. Elas identificam-nos e diferenciam-nos uns dos outros. Falam-nos de diversidade.

O Antigo Testamento a diversidade de talentos é clara, por exemplo, na construção e transporte do Tabernáculo. Artistas especificamente convocados e capacitados por Deus para tornar real o Seu projeto (Êxodo 31:1 a 11). Pessoas especializadas e equipadas para carregar cuidadosamente o Tabernáculo durante cerca de 40 anos (Números 4:21 a 33). O mesmo acontece em relação à Igreja. Paulo alerta para a importância de haver diferentes dons e ministérios na Igreja (1 Coríntios 12:4 a 11).

Como mensageiro de Deus, dou a cada um de vocês esta advertência: Sejam honestos na avaliação que fazem de si próprios. Que as vossas capacidades de julgar sejam temperadas, dirigidas pela própria fé que Deus vos deu. Porque assim como o nosso corpo é formado de várias partes, e cada uma tem uma função própria, o mesmo acontece com o corpo de Cristo. Nós somos todos partes dele, e cada um de nós tem uma função diferente a executar. Por isso também precisamos uns dos outros, e uns aos outros nos pertencemos. Deus ofereceu a cada um a capacidade de fazer bem certas coisas.”
(Romanos 12:3 a 6a, OL)

PARA PENSAR: Como Igreja, todos somos necessários. Somos todos chamados para servir a Deus a tempo integral... mas nem todos nós recebemos um salário da Igreja. Os líderes não podem fazer tudo sozinhos... é preciso todo o Corpo cooperar para que o Reino de Deus avance. Deus criou-nos diferentes uns dos outros e o Espírito Santo capacita-nos também com dons diferentes, com o objetivo de, em conjunto, com talentos naturais e dons sobrenaturais, ajudarmos a Igreja a crescer em qualidade e quantidade.

Conclusão
Como Moisés, temos por vezes dúvidas e sempre teremos as nossas limitações. No entanto, podemos escolher sermos usados por Deus com aquilo que temos nas nossas mãos ou lamentarmo-nos por aquilo que não temos. Precisamos obedecer a Deus, fazendo o que está nas nossas mãos e à nossa mão. Deus irá usar-nos nas pequenas e nas grandes coisas, para que mais pessoas conheçam o Seu amor, aceitem Jesus, venham a fazer parte da Igreja e conquistem outros para o Seu Reino.

E tu: o que tens na tua mão?


Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, setembro 2015

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”