Mínimos!

Minions (ou Mínimos, conforme lhes queiras chamar)! De certeza que sabes o que são os Minions! O Bob, o Stuart e o Kevin são os protagonistas do último filme em que estes bonecos amarelos aparecem. E se já os conheces, provavelmente sabes que por vezes, os Minions não são propriamente as coisas mais espertas do mundo. Digamos até que são um bocadinho... como hei de explicar… tipo, lerdos!

O que é interessante, é que os Minions são seres com uma missão desde o início. Servir incondicionalmente, aquele que for o pior, mais terrível e mais assustador vilão… Dê por onde der, com mais ou menos problemas e aventuras, lá levam a cena deles avante.


Quando penso neles, obviamente que me ocorrem algumas ideias. Em primeiro lugar, a nossa missão não é servir o pior de todos os mestres. É precisamente o contrário. Viver a nossa vida com o melhor de todos os mestres, amando-O com todo o nosso coração (Marcos 12:30).

A segunda coisa, é que eles são extremamente persistentes. Um pouco aquilo que nós devíamos ser na Igreja. Não desistem à primeira, sabem que têm uma missão para levar em frente. E nós, também temos uma missão clara. Pegando nas palavras de Jesus, somos chamados para ir e pregar o Evangelho (Marcos 16:15). Essa é a missão da nossa vida, após conhecermos Jesus.

Em terceiro lugar e último, vem o facto de eles se entenderem entre eles e acabarem por formar uma família (mesmo que algo esquisita). Como filhos de Deus, também somos uma família e devíamos saber entender-nos entre nós. Muitas vezes, deixamos que sejam coisas pequenas a dividir-nos. A maneira como cantamos aquele coro, se aquela pregação foi mais chata ou não, o que vamos fazer na próxima reunião de jovens… Repara na Igreja que é descrita em Atos 2:42-47. Ela é o nosso grande exemplo de uma família que não é toda do mesmo sangue, mas é toda filha do mesmo Pai.

Por isso, se te sentes no mínimo, deixa que seja o amor de Jesus a dar-te o máximo que te podem dar!


Ricardo Rosa

in revista BSteen, novembro 2015



Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”