"Quem? Eu?!"

Estávamos à procura de estacionamento para irmos almoçar. À nossa frente, um carro pequeno fazia marcha atrás, para deixar passar um outro automóvel. A certa altura pum! – o “carrito” bateu na porta de um terceiro carro que estava estacionado e seguiu viagem.

Continuámos o nosso caminho, às voltas, à procura de um lugar. Por coincidência ou não, cruzámo-nos com a senhora que conduzia o “carro criminoso” e avisámos “Desculpe, a senhora pode não ter reparado mas bateu num carro que estava estacionado ali na praça quando fez marcha atrás. Era melhor ir ver isso...”. “Quem? Eu?!” exclamou a senhora, um pouco espantada.


A verdade é que, tal como vimos neste episódio, na vida muitas vezes erramos por distração, descuido. Outras vezes fazemos o que não devemos propositadamente. Tenhamos ou não consciência dos nossos erros, de uma maneira ou de outra, somos falíveis... e aqui está o nosso problema.

Sim, Deus ama-nos mas, infelizmente, fomos separados do Seu amor por aquilo a que a Bíblia chama pecado – uma escolha que fazemos de vivermos segundo o que nos convém em vez de vivermos para Deus. Pecamos, erramos, falhamos quando fazemos o que Deus não quer e não fazer o que Ele quer.

São muitas as consequências de vivermos dessa forma egoísta, ignorando Deus e indo contra aquilo que Ele deseja, nas nossas escolhas. A Bíblia, que é a Carta de Deus para nós, diz que “Todos pecaram e estão privados da glória de Deus.” (Romanos 3:23, BPT). Por outro lado, diz também que podemos fazer muitas coisas boas, mas que isso não compensa os pecados que cometemos e que nos separam do amor de Deus (Efésios 2:8-9).

Podes pensar, como a senhora da história: “Pecador? Quem? Eu?!” Deixa-me fazer-te uma pergunta: não ficas desiludido quando fazes algo de errado, quando magoas alguém ou quando alguém faz alguma coisa que te prejudica? Como somos pecadores (todos!) muitas vezes temos como que uma “luz vermelha” na nossa cabeça que nos diz “Ooops! Não estiveste bem!”. Além disso, o pecado é visível na maneira como nos relacionamos uns com os outros... há inveja, ódio, violência, mentira, etc.

O pecado leva-nos para longe de Deus em primeiro lugar, cria problemas nos nossos relacionamentos e, finalmente, tem como consequência a separação eterna de Deus. Mas não desesperes... Deus ama-te realmente e não quer que vivas longe Dele. Será possível vivermos com Deus apesar dos nossos erros? Fica atento ao que o Tiago Goulão tem para te explicar já a seguir (lê a BSteen de dezembro 2015)!



Ana Ramalho Rosa


in revista BSteen, dezembro 2015. 
Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda