07 dezembro 2015

Reflexões sobre a Criação - Imensidão de águas

Na temática da simbologia bíblica, o mar é apontado pelo Cardeal Gianfranco Ravasi, como a limitação da terra e como o fim de tudo

É no principal do vasto manto líquido que cobre o planeta Terra, que se encontra o mistério das profundezas, o desconhecimento do que existe além horizonte. Obras como épicas como a “Odisseia” ou “Gilgamesh” são melhor narradas com o sabor a mar na mente e o cheiro a sal no coração. É também no mar que vários relatos bíblicos são vividos.


Desde a milagrosa travessia do Mar Vermelho durante o êxodo hebreu do Egipto, até ao relato da experimentação do sobrenatural da fé por Pedro (que caminhou sobre as águas violentas e tempestuosas do Mar da Galileia), culminando com o relato em Apocalipse do retorno dos que pereceram e permanecem sepultados na tumba do profundo azul.

Um local de respeito, de temor, que não só alimentava os pescadores como Pedro, João e Tiago; mas também serviu de tormento nas travessias de Paulo. O mar outrora temido e respeitado pelos povos antigos como os fenícios, idolatrado por gregos e romanos, serve de pano de fundo para o romance de Herman Melville, “Moby Dick”. Uma história sobre redenção e justiça, onde os paralelismos com a Bíblia não se esgotam e onde o sermão do Reverendo Mapple nos aponta para uma verdade incontestável. Prega este antigo caçador de baleias, que assumiu o lugar de Reverendo em Nantucket, que para obedecermos a Deus, devemos desobedecer a nós próprios. Uma luta interminável entre carne e espírito, trazendo Platão a uma cidade baleeira e levando o leitor a cruzar-se com Ismael, Bildade, Elias e Acab. Semelhantemente, Ernest Hemingway tem no mar e num peixe enorme, o cenário e o principal foco do seu romance “O velho e o mar”. Uma história sobre o querer e a importância do prevalecer, perante um sofrimento e luta dignas de se equipararem às de Job.

É também o mar, que na história da Humanidade assume o papel de caminho para os Descobrimentos, para a colonização de territórios distantes como a América do Sul, a Índia ou o Japão. Uma época em que a Cristandade foi levada além fronteiras, até aos confins da terra, conforme regista Lucas em Actos dos Apóstolos 1:8. Um enorme continente azul mencionado constantemente por Camões na epopeia de “Os Lusíadas”. Esse vasto manto, sobre o qual o Espírito pairava e se movia no relato da Criação, que novamente no livro de Apocalipse é mencionado pela sua extinção (Apocalipse 21:1).

Se de facto, a glória de Deus é manifesta na Criação, como alude o salmo 104 (e exortou Padre António Vieira no seu “Sermão de Santo António aos Peixes”), então o vasto e profundo azul que é o mar é o local de encontro entre o Homem e Deus. A jornada marítima processa-se tal como o itinerário da fé na vida de um crente. Períodos de calma e bom vento, contrastando com períodos de tempestade ou de ausência de bons ventos e marés. O navegar em direção ao horizonte sem mapa é nada mais do que o andar por fé, esse processo que tantas dificuldades coloca ao intelecto do ser humano.

Mas tal como na caminhada da fé, necessitamos de suporte: as Escrituras agem como o nosso mapa, ajudando-nos a aferir o rumo; o Espírito age como astrolábio, que dá confirma o mapeamento das Escrituras e nos ajuda a posicionar em relação ao nosso destino final.

Ricardo Rosa






Sem comentários: