Galhos secos

Faltava-me a inspiração para escrever. Olhando à minha volta procurava alguma coisa que me despertasse da minha angústia criativa. Na rua, o vento parecia acalmar as árvores com a sua brisa reconfortante. E olhei para elas, as suas folhas ao vento, os seus ramos.

Logo me lembrei da letra de “Galhos secos”, um tema escrito nos anos 70 pela banda de rock progressivo Exodos, do Brasil, que ganhou um novo fôlego, bem mais do meu agrado, por outro também brasileiro, Paulo César Baruk. A letra é simples, mas tão singela e verdadeira.



Nos galhos secos de uma árvore qualquer
Onde ninguém jamais pudesse imaginar
O Criador vê uma flor a brotar
Olhai, olhai, olhai. Os lírios cresceram no campo
E o Senhor nosso Deus os tem alimentado para nossa alegria
Para nossa alegria

Penso que os autores foram buscar a sua inspiração aos conselhos deixados por Jesus quando ensinava os Seus seguidores, e que podemos ler em Mateus 6:25-34:

“Portanto, aconselho-vos que não se preocupem com as coisas desta vida, como que hão de comer e beber, e ter dinheiro e roupa. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhem os passarinhos, que não se preocupam com o alimento, não precisam de semear, nem de colher, ou de armazenar comida, pois o vosso Pai celestial é quem os sustenta. E para ele vocês têm muito mais valor do que os passarinhos. As vossas preocupações poderão porventura acrescentar um só momento ao tempo da vossa vida?

E para quê preocuparem-se com o vestuário? Olhem os lírios do campo que não têm cuidados com isso! E, contudo, nem mesmo o rei Salomão, em todo o seu esplendor, se vestiu tão belamente como eles. E se Deus cuida assim das flores, que hoje nascem e amanhã já não existem, não cuidará porventura de vocês, gente de pouca fé?

Portanto, não se preocupem com a comida e a roupa para vestir. Para quê serem como os incrédulos? Mas o vosso Pai celestial sabe perfeitamente que precisam delas. Deem pois prioridade ao seu reino e à sua justiça e Deus cuidará do vosso futuro. Não se preocupem com o dia de amanhã. O dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta cada dia o seu mal.” (OL)

Depender de Deus pode ser um dos exercícios mais custosos para a nossa natureza. Queremos ter o controlo completo de tudo na nossa vida. E isso não acontece nunca, mesmo quando pensamos que está a acontecer, porque Ele é que tem verdadeiramente o controlo de tudo.

Quando veem os tempos de luta em que temos a noção da nossa finitude temos, como alguém disse, que fazer o possível e Deus faz o impossível. Sim, o impossível pertence-Lhe. A nós cabe-nos usarmos o que nos é possível, sabendo que é Dele que vem também a nossa capacidade e a resposta para todas as nossas necessidades.

Nesta época de férias, de pausa e descanso, mesmo que na nossa mente a turbulência do dia de amanhã nos tente distrair, olhemos para os galhos secos... para os pássaros... para os lírios do campo. O Criador cuida deles e certamente cuidará de nós... para nossa segurança e alegria  – e a Sua alegria é a nossa força.


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, agosto 2016. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda