(Silêncio)

Pode não ser bem a tua cena, mas o novo filme que aí está e que se chama “Silêncio”, está a agitar um bocado as consciências. Não quero tocar no filme em si, mas mais no tema.

Silêncio nem sempre é ausência. Tal como ruído não significa presença. Pergunta a Job! Durante muito tempo ele falou, lamentou-se, chorou e o que se ouviu de Deus? Nada. Zero. Nem uma palavra. Até um dia… Aí Deus falou, respondeu, disse e mostrou. Job encolheu-se de vergonha e percebeu que tinha falado demais com quem não devia.


O que pensar do que aconteceu com Elias (1º Reis 18:1), que foi Deus quem mandou anunciar uma grande seca, passou cerca de 3 anos a ver o povo com fome, a sofrer por causa de pecar e não se voltar para Deus e a receber de Dele um silêncio e um vazio total?

Se estás a passar por um momento em que parece que Deus te está a ignorar, não desesperes. Ele não está. Tal como não ignorou Jesus no Getsemani, ou na cruz, o nosso Pai continua de olhos em ti. Ele é o Deus que te salva (Jonas 2:9), o Deus que te dá vida (Amós 5:4), o Deus que te cura (Salmo 30:2), o Deus que te perdoa (1ª João 1:9)…


Fala no Seu silêncio e espera pela resposta do Pai. Ela vem no tempo certo.

Ricardo Rosa

in revista BSteen, março 2017. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda