08 maio 2011

Fã ou seguidor?(1)

Esta é a pergunta que Jesus me (te) quer fazer hoje. Será que apenas és fã ou segues Jesus? Pode parecer a mesma coisa, mas não é.

Um fã de Jesus admira-O. Lê tudo o que pode sobre Ele. Fala às pessoas de como Jesus é fantástico. Nas reuniões da igreja sabe as músicas e os versículos “clássicos” sobre Jesus. Diz a toda a gente que Jesus é o melhor amigo. Anda com “Jesus” escrito numa T-shirt toda fashion. E fica mesmo por aí.

Um seguidor de Jesus é outra conversa. Deseja não apenas conhecer coisas sobre Jesus mas ter uma amizade a sério com Ele. Segue Jesus como o exemplo da sua vida. Não é uma “cópia” de Jesus, mas um seguidor do estilo de vida saudável que Jesus ensinou e viveu.

“O que é que isto tem a ver comigo?” perguntas tu. Tem tudo a ver... Jesus nasceu e cresceu há mais ou menos 2000 anos atrás. Não sei se teve acne, mas foi adolescente como tu.

Lucas, uma das pessoas que escreveu sobre a vida de Jesus, disse que quando Ele tinha 12 anos agradava a Deus, obedecia aos pais e, as pessoas que O conheciam viam a Sua boa atitude, o Seu bom comportamento (lê este episódio em Lucas 2:41-52).

Um fã de Jesus pode achar esta passagem engraçada de saber, mas um seguidor de Jesus vai mais longe – tenta ter a mesma atitude que Jesus teve. Faz o seu melhor para obedecer aos pais, para que Deus fique contente com o que pensa, diz e faz, para que as pessoas que o conhecem vejam que é sincero, amigo, generoso, honesto e respeita os outros – incluindo os colegas da turma e os professores.

Sabes, é fantástico seguir Jesus mas pode ser complicado. Ele falou acerca disso quando andou por cá – podes ler em Mateus 5:11-12; 17:24-28; João 15:18-20.

Jesus nunca disse que segui-Lo a sério era fácil, porque nunca é fácil ser honesto na turma quando todo o resto dos colegas copia ou usa cábulas. Não é simples obedecer e respeitar os pais quando a maioria acha que eles só têm é obrigação de dar tudo o que querem e quando querem. Não é fácil respeitar os professores – mesmo os mais complicados – quando o que parece fixe é ameaçar, desobedecer, chamar nomes e fazer partidas com pouca piada às pessoas que nos estão a ensinar.

Queres ser um fã de Jesus – admirá-Lo mas viver à tua maneira – ou ser um seguidor de Jesus – imitar as Suas atitudes, o Seu carácter? A escolha é tua.

Estou contigo!

Ana Ramalho



1 ideia retirada do tema do site notafan.com

in revista BSteen, Maio 2011

05 maio 2011

Não vás em “Deolindas”

É tempo de fazer História... à maneira de Deus


Eu não vou em “Deolindas”. Lamento desiludir todos os cristãos mais propensos a uma boa manifestação anti-governo – espero que não façam nenhum protesto anti-ana ramalho no final. Provavelmente vou trair as raízes familiares que do lado feminino da minha ascendência se destacaram por um vermelho revolucionário.
Não vou atrás de cantigas que espelham a realidade num tom negativo, mas não oferecem um caminho. Empolam o tão português queixume mas não dão uma mensagem de esperança, uma solução. Já estamos suficientemente em baixo como nação para cantarmos “Que parva eu sou” sem pensar, renunciando à nossa identidade como cristãos.
O tema popular faz uma constatação, uma fotografia social, mas não basta cantar, fazer cartazes ou falar. É preciso agir! Também não é minha intenção generalizar... cada caso é um caso. No entanto vejo e ouço uma franja de pessoas estagnada à espera que algo milagroso aconteça, exigindo muito e lutando pouco.

QUEM DITA A TUA IDENTIDADE?
Na convocatória da manifestação de 12 de Março, todos foram convidados. Para meu espanto, muitos cristãos entraram na onda, foram atrás do grito de revolta, mesmo que pacífico... (Um desabafo: pena não termos todos o mesmo empenho quando nos convocam para marcharmos por Jesus).
Não estou com todo este discurso meio irónico porque vivo num mundo fechado e ignoro a crise, os cortes de apoios, a subida de impostos, a luta de muitos jovens recém-licenciados por uma oportunidade de trabalho, etc. Já passei por isso. Tenho amigos nesta situação, cristãos e não cristãos. Devemos reconhecer a realidade mas procurar um caminho, uma resposta e não esperar apenas que sejam os outros a fazê-lo por nós. Mas penso que a nossa postura como seguidores de Cristo não pode ser a mesma da maioria - reclamar. Precisamos parar e pensar.
Os cidadãos do Reino de Deus são chamados a fazer manifestações todos os dias – manifestações de amor, pacificadoras, misericordiosas, de coragem, empenho, excelência e obediência. Perder a coragem e reclamar é muito fácil. Confiar que Deus está a cuidar de nós é mais difícil. Mas Ele ainda é Deus.
“Não andem preocupados a dizer: ‘Que havemos de comer? Que havemos de beber? Que havemos de vestir?’ Os pagãos, esses é que se preocupam com todas essas coisas. O vosso Pai celestial sabe muito bem que vocês precisam de tudo isso. Procurem primeiro o reino de Deus e a sua vontade e tudo isso vos será dado. Portanto, não devem andar preocupados com o dia de amanhã, porque o dia de amanhã já terá as suas preocupações. Basta a cada dia a sua dificuldade.” (Mateus 6:31-36, versão “A Bíblia para Todos”)
Eu sou da geração eleita, mesmo que não tenha remuneração. Eu sou do povo querido de Deus, mesmo que nenhuma empresa me queira receber. Eu pertenço a uma nação santa, mesmo que esteja rodeada por um sistema corrupto deste mundo em que sou peregrina. Quem dita a minha identidade não é uma canção, um rótulo – é Cristo. Se Ele morreu por mim eu devo valer a pena. Se Ele prometeu que me daria o que preciso, devo confiar que fazendo a minha parte, Ele fará a d’Ele.

“COMO É QUE DEUS ME VAI AJUDAR?”
A título de exemplo, aqui ficam algumas sugestões.
Não estejas à espera de terminar o curso para te envolveres em projectos. Trabalha para o teu futuro antes de teres emprego.
Se andas à procura de trabalho, faz o teu melhor. Fala com pessoas que estejam no mercado de trabalho, procura alternativas à tua área de estudos e vê se tens hipótese noutro país. Procura pessoas que possam estar contigo nesta fase. Acima de tudo ora a Deus e confia na Sua provisão. Pensa nas soluções e não pares de lutar porque o teu Pai amoroso que está no Céu está interessado em cuidar de ti. Aconselha-te, planifica, informa-te, ora e tenta. Senão conseguires, tenta de novo. Não desistas!
Quantas associações de cariz social das nossas igrejas, e não só, precisam de voluntários enquanto ficamos isolados em casa, entregues à desmotivação? Talvez o contacto com realidades bem piores do que a nossa nos torne mais gratos a Deus pelo que temos e somos e nos tire esta tendência de não vermos como Ele vê – e nos ajude a ter ânimo para procurar alternativas.
Estão-se a abrir portas para pessoas com formação superior noutros países. Imaginem o que será quando jovens cristãos licenciados aceitarem o desafio e forem não apenas para encher os bolsos de dinheiro mas o Céu de portugueses e portuguesas que emigraram também? Conheço várias pessoas que o fizeram depois de muitas tentativas em superar a crise. Oraram, pensaram, foram e começaram do zero. Não ficaram a “Deolindar” por aí à espera que as coisas mudassem. E como estes heróis, que me trouxeram ao mundo, outras pessoas têm tomado outros rumos.
Talvez o nosso (meu) problema seja estarmos habituados a ter tudo como garantido e agora, porque a crise se expandiu, a nossa segurança no sistema e nas coisas estar a dissipar-se mais e mais. Provavelmente pensávamos que ser filhos de Deus era ter tudo sempre de bandeja, sem lutas, sem provas de perseverança, sem perdermos o controlo para podermos entregar-nos totalmente a Ele – e não apenas dizermos que Ele é o Senhor – em especial quando tínhamos os papás com um emprego, quando ainda nos podiam sustentar.

FAZER HISTÓRIA... É AGORA!
Em vez de recitarmos hinos alheios de queixumes numa espécie de fado arruaceiro, dobremos os joelhos para orar, arregacemos as mangas para vasculhar soluções, sempre conscientes de que não são cartazes exigentes que cuidam de nós, nem brados revolucionários que são o nosso sustento – ele vem de Deus. A nossa esperança no sustento de Deus, e a nossa confiança nas Suas promessas, assumindo o nosso papel conscientemente no processo vão mostrar a diferença e levar-nos a ajudarmos outros que nos rodeiam a entregar as suas vidas ao nosso Pai.
Além do mais, precisamos agir como igreja – individualmente e como corpo de Cristo. Ter que fazer alguma coisa pelos outros faz-nos sair da nossa zona de conforto – e não gostamos – mas ou tomamos uma atitude de ajuda mútua ou simplesmente caímos na mesma atitude egoísta que condenamos nos outros.
Há anos atrás cantávamos emocionados que queríamos fazer História nesta nação. Deus ouviu-nos. Este é o momento.
 “Jovens, sejam obedientes aos mais velhos. Sejam todos humildes uns para com os outros, pois a Escritura diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá a sua graça aos humildes. Sejam humildes, portanto, e submissos ao poder de Deus, para que ele vos eleve no devido tempo. Confiem-lhe todos os vossos problemas, porque ele se preocupa convosco.” (1 Pedro 5:5-7, versão “A Bíblia para Todos”)


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, suplemento NAJovem, Maio 2011

Óscar esquecido no WC?

“O actor britânico Colin Firth foi à casa de banho, depois da cerimónia de entrega dos Óscares de Hollywood, e por lá deixou a estatueta de Melhor Actor por si ganha pela interpretação do rei George VI, no filme ‘O Discurso do Rei’.”1
“O Óscar (...) é uma pequena estatueta de 35 cm de altura pesando quase quatro quilogramas, feita de estanho folheado a ouro de catorze quilates (...) o seu valor simbólico é incomensurável, pelo prestígio profissional e popular que concede ao premiado.”2
Inédito. Alguém esquecer-se do prestigiado prémio, ainda por cima no WC! Talvez não seria noticiado ao tratar-se de outro objecto, mesmo que a história se passe com Colin Firth, mas é o valor e o mérito inerentes à estatueta dourada que tornam a notícia insólita.
O que não é assim tão raro, mas que está tantas vezes “maquilhado” com entretenimento, com bebida e máscara social, é deixarmo-nos levar pela autopiedade e ficarmos reféns do esquecimento alheio. De olhos cabisbaixos, pensamos ser meros seres utilitários, que seguem uma rotina, sobrevivem na precariedade, e se enchem de coisas (e dívidas) para ter momentos de aparente felicidade – porque se sentem esquecidos ou porque se isolam dos demais.
Chamas-te Óscar, Célia, Nuno, Sandra, Luís ou Marta, seja qual for o teu nome, não existes por acaso. Talvez a tua história de vida te diga o contrário mas, o Homem que mudou a minha história e a de tantas pessoas ao longo dos Séculos, diz através das Suas acções e nas Suas palavras: “Tu tens valor!”.
Jesus é a expressão do interesse de Deus por todos nós, mas também por cada um. “Deus amou de tal modo o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crer não se perca, mas tenha a vida eterna” (João 3:16, versão “A Bíblia para Todos”). Sim, Ele veio, viveu e morreu para que pudéssemos ter um relacionamento com Deus, que nos tira do esquecimento e nos capacita para sairmos do conformismo do isolamento, plantando o Seu amor no nosso coração para que nos relacionemos saudavelmente uns com os outros.
Suponham também que uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma delas. Que é que ela faz? Acende a lâmpada, varre a casa e procura cuidadosamente até a encontrar. Quando a encontra, diz às amigas e vizinhas: ‘Alegrem-se comigo, porque já encontrei a moeda perdida.’ Da mesma maneira, digo-vos que há alegria entre os anjos de Deus cada vez que um pecador se arrepende.” (Lucas 15:8-10, versão “A Bíblia para Todos”).
Nesta história que Jesus contou, vemos que mais do que ouro ou prata, fama ou prestígio, a nossa vida tem valor. Esse valor não é mensurável, nem comparável. A chave é o arrependimento. É assumir, humildemente, que temos vivido à nossa maneira e queremos e precisamos de ajuda para mudar de rumo – ajuda do nosso Criador.

Se estás a ler estas palavras, e se não conseguires reter mais nada, lembra-te: Deus procura-te. Ele deseja que O conheças e te tornes um filho que sabe que é amado, querido, cuidado, orientado e se necessário corrigido, mas nunca esquecido... e quando te entregares nas mãos de Deus, vai haver festa no Céu e no teu coração!
Ana Ramalho Rosa

1 http://www.destak.pt/artigo/89118-colin-firth-esquece-oscar-no-wc  (adaptado)
2 http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93scar

in revista Novas de Alegria, Maio 2011