02 janeiro 2008

JÉSUS, TU ME MANQUES!

O título está em francês1. Não é por acaso. Ao escrever o “Destaque” deste mês, veio à minha mente um episódio passado há algum tempo.

Estava com o meu irmão em Paris, numa movimentada estação de comboios. Num frio dia de Dezembro, com o mapa dos transportes urbanos na mão, tentávamos descobrir a linha a tomar para chegar ao nosso destino. Como tínhamos opiniões diferentes, ficámos uns bons minutos a tentar chegar a uma conclusão. Entretanto um homem de meia idade aproximou-se de nós e, em português, perguntou se precisávamos de ajuda. Deu-nos a indicação que necessitávamos e conversou mais um pouco connosco.

Era um compatriota nosso emigrado em França há muitos anos. Apesar da qualidade de vida que ali tinha, transparecia claramente a saudade de Portugal e da família. Depois desta conversa seguimos, cada um para o seu caminho.

Numa perspectiva cristã, espiritual, somos como aquele homem. Ou seja, estamos numa terra que não é a nossa, temos princípios de vida diferentes da sociedade na qual nos inserimos e até a nossa linguagem se torna distinta, pelo modo como excluímos certas expressões menos próprias do nosso vocabulário e passamos a falar de Deus, a louvá-Lo.

Entramos para a família de Deus, através do novo nascimento, mas a nossa relação com o Pai progride. Nessa interacção, vamos descobrindo as diferenças entre a forma de ver e viver passageira da sociedade, em oposição ao alvo eterno que é ser igreja. Compreendemos, como explicou Pedro, que estamos apenas aqui de passagem, sendo estrangeiros.2

O apóstolo vai mais longe e expõe as consequências da nossa posição como “emigrantes” neste mundo. Ele diz “ (...) por isso vos peço que se mantenham afastados dos prazeres corruptos, pois combatem a vossa própria alma. Tenham cuidado quanto à maneira como se comportam no meio do descrentes; porque assim, mesmo que vos caluniem como malfeitores, acabarão por dar honra a Deus quando Cristo voltar, por causa das vossas boas obras.”3

Sou emigrante de um país que ainda não vi, mas para o qual quero ir. Sou forasteira numa sociedade que cada vez me empurra mais contra a parede e me intimida a ser o contrario daquilo que Deus deseja que eu seja. É um desafio constante ser cristão autêntico no meio de um mundo cada vez mais anti-cristão.

Não sei se o emigrante que encontrei em Paris deseja regressar a Portugal... mas eu quero ir para a minha pátria eterna. Estou a preparar-me e a convidar outros a fazer o mesmo.

Quero estar com Cristo. Jésus, tu me manque... Jesus, tenho saudades Tuas... “Ora vem, Senhor Jesus.” 4 Que esta seja a oração da Sua Igreja.

Ana Ramalho


1 Jésus, Tu me manques! significa Jesus, tenho saudades Tuas!
2 1 Pedro 2:11
3 1Pedro 2:11b-12 Versão “O Livro”
4 Apocalipse 22:20b Versão Almeida Revista e Corrigida



in revista Novas de Alegria, Janeiro 2008