21 abril 2008

Fome de autenticidade


"A Igreja, neste momento, precisa de homens prontos a gastarem-se no combate da alma. Tais homens estarão livres das compulsões que controlam os mais fracos, da concupiscência dos olhos, da concupiscência da carne e da soberba da vida.
Eles não serão forçados a fazer coisas sob a pressão das circunstâncias. A sua única motivação virá de dentro e de cima. Esta qualidade de liberdade é necessária se queremos ter de novo profetas nos nossos púlpitos, em vez de mascotes. Estes homens livres servirão a Deus e à humanidade por motivos demasiado elevados para serem compreendidos pelo povo comum que se arrasta hoje para dentro e para fora do santuário.
Eles não tomarão decisões com base no medo, não seguirão qualquer rumo só para satisfazer um desejo, não aceitarão qualquer serviço por razões financeiras. Não praticarão qualquer acto religioso por mero costume. Nem se permitirão a si mesmos ser influenciados por amor da publicidade ou pela ambição de uma boa reputação."

A. W. Tozer

01 abril 2008

Ontem, hoje e amanhã

A frase está espalhada nos media, através da publicidade de uma conhecida rede de hipermercados.

A música e o poema originais são uma relíquia do cantor popular José Cid. Conta a história de uma relação de duas pessoas. O seu passado, presente e futuro. Nos relacionamentos humanos, principalmente aqueles que são mais íntimos e supostamente mais longos, a segurança do presente aliada às memórias do passado podem determinar o modo como enfrentamos o futuro. Mas no nosso relacionamento com a vida, como um todo, de que modo estamos a olhar para estes três aspectos?

Ontem
Todos temos um passado. Uma origem. O “ontem” é um conjunto de memórias e acontecimentos que nos marcaram e, de certo modo, foram ingredientes na receita que nos tornou naquilo que somos hoje.

De onde vimos? De um lar equilibrado ou de uma família cheia de problemas. Formação superior ou ser analfabetos. Fomos ponderados ou precipitados. Cumpridores ou irresponsáveis. Lutadores ou agimos como derrotados.

Ontem é o que passou. Não nos é possível voltamos a viver as mesmas situações porque tudo mudou. Não podemos voltar a trás e emendar os nossos erros, nem aproveitar o tempo perdido. Tentámos reformar a nossa vida, mas a nossa força era limitada. Procurámos tudo para preencher o nada do nosso coração, porém terminámos angustiados ou simplesmente insensíveis à busca de algo que nos desse uma vida além do respirar.

hoje
Onde estás? Talvez deitado na tua cama a pensar na vida enquanto passas os olhos por estas palavras. No consultório, à espera do veredicto final: benigno ou maligno. Na paragem de autocarro, enquanto esperas impaciente.

Trazemos connosco a herança do passado – o que somos e o que experimentámos. Vivemos o agora, o momento. Passa um segundo e outro segundo. Mais um dia de insatisfação. Mais uma noite de satisfação passageira que nos deixa cruelmente perdidos dentro de nós. Uma corrida vertiginosa à procura de um sentido. Uma inércia preocupante quanto à vida.

Amanhã
Para onde vais? A pergunta mais complicada de responder. O teu amanhã depende do agora. És mais do que matéria. És alguém criado especialmente por Deus, com um propósito. Independentemente do teu passado e do teu presente, Deus deseja dar-te um amanhã excelente aqui na terra e uma eternidade fantástica com Ele.

Aceita o desafio de receber Jesus na tua vida e fazer Dele o Teu rei. Entrega-Lhe o teu passado, o teu presente e o teu futuro. Experimenta ter um sentido para a vida. Decide-te hoje pelo amanhã com Deus!

“Hoje, se ouvirem a Sua voz, não endureçam os vossos corações.” (Hebreus 4:7b)


Ana Ramalho

in revista Novas de Alegria, Abril 2008