Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2014

Crer (também) é pensar!

Imagem
Se alguém vos perguntar a razão da vossa esperança, estejam sempre preparados para responder, com delicadeza e respeito. É assim que Pedro escreve em 1ª Pedro 3:15,16 na tradução O Livro.
O facto de sermos cristãos, de crermos em Jesus e que Ele deu a Sua vida para nos salvar (João 3:16) não faz de nós gente sem capacidade de pensar. Quando Pedro escreve estas linhas, ele está a explicar aos crentes como viver de acordo com os ensinos de Jesus, mesmo que sejam perseguidos e sofram por isso.
Naquela altura, assumir-se como cristão dava direito a perder a cabeça, literalmente. Outras vezes, dava apenas prisão, como aconteceu com Paulo e Silas (Atos 16:16-40). E de vez em quando, também dava direito a uns açoites nada meigos ou fome, como Paulo também nos conta (2ª Coríntios 6:5).
O que quero que entendas é algo muito simples. Deus deu-nos cabeça para pensar, para meditar no que Ele nos diz e para podermos responder com educação e respeito, a quem nos pergunte quem é Jesus ou no que cremos.…

Um casal-modelo

Imagem
Não, não estamos a falar de um casal de modelos, como deves ter reparado, mas de um casal-modelo... ou seja, um casal que deixou um bom exemplo.
A história destes dois amigos do apóstolo Paulo aparece pela primeira vez em Atos 18. Áquila, um cristão de origem judaica, e Priscila, a sua mulher, conheceram Paulo em Corinto, onde os três faziam tendas para ter sustendo. Tinham fugido da sua terra natal – Roma - devido à perseguição dosRomanos, por causa de Áquila ser judeu.

Ainda é tempo...

Imagem
Olhar triste e cabisbaixo. Entra no autocarro, sem proferir palavra, mergulhada em pensamentos, vagueando nas veredas do sabor amargo da derrota não proferida.
Os sonhos agarrados com as duas mãos, de uma vida mais acelerada, mais feliz, mais livre, tornaram-se pesadelos reais, que descambaram na prisão, de mãos e pés atados no orgulho da inadmissão do erro.
Quando a tentação bateu à porta da fragilidade, no meio do aperto e no sabor do momento, caíram as defesas, esbarrou-se, pisou-se e ultrapassou-se a linha. Brincou-se com o pecado, e o rastilho queimou-se, suavemente, até a bomba da apostasia rebentar por todos os lados. Procurou-se uma desculpa para aquilo que não tinha justificação: a culpa é dos outros, mesmo que a decisão seja minha.
Com o idealismo de experimentar para saber, sem sofrer. Com a utopia de poder estar bem com Deus... e com o Diabo, literalmente. Não existe uma terceira opção. Ou estamos com Deus ou estamos sem Deus. Podemos conhecer os valores de Deus mas só somos…

Terceira Epístola de João

Imagem
A terceira epístola de João é do mesmo período da anterior, isto é, entre os anos 97-100 d.C., tendo também como ponto provável de redação a cidade de Éfeso[1].  
Esta epístola é dirigida a Gaio, um membro de uma igreja local[2] que dava testemunho de bom modo (v.3,5). Esse testemunho era reconhecido diante da igreja local e atestava o trato fiel de Gaio para com os irmãos em Cristo em primeiro lugar e segundamente para com as visitas ou forasteiros[3].
João incentiva Gaio a receber plenamente aqueles que estão de passagem e que “por amor do Nome saíram, sem nada aceitar dos gentios.” (3 João 1:7 ARA). Este sinal de recusa em aceitar apoio dos descrentes era um modo de não só dar bom testemunho entre eles (não aceitando dinheiro como devotos de outras religiões faziam)[4], mas também de seguir o exemplo dos doze e  dos setenta quando enviados por Jesus (Marcos 6:8, Lucas 10:4). O cuidado com os irmãos na fé seria uma prática enraízada nas comunidades cristãs da época, seguinte também as…