10 fevereiro 2014

O amor anda no ar

Fevereiro! Eu gosto de fevereiro! Uma das minhas irmãs faz anos neste mês, o mês é mais curto e celebramos o Dia dos Namorados.

Quando tinha a vossa idade (e não sou assim tão mais velho, só alguns anos) pensava que o Dia dos Namorados era um dia para gente chata e que não tinha mais que fazer, ou então para aqueles casais tipo Hollywood com jantares românticos, beijinhos e prendas.

A parte dos beijinhos era a que me fazia sonhar mais! Sabem, esta história da intimidade, da pureza e da virgindade pode parecer extremamente secante, chata ou humilhante. Hoje, é muito fácil trocar o amor puro pela excitação da parte física.

Sabes, durante alguns anos, eu era gozado por causa do meu aspeto e diziam-me que nunca ia conseguir namorar. Sentia-me humilhado e triste. Tentei seguir o meu caminho sem querer ouvir Jesus e magoei-me muito pelo meio. Até que um dia, decidi ouvir aquilo que Ele sempre esteve a dizer-me. Que o maior amor que existe é o que Ele tem por mim. Leio isso em João 15:13 e fico feliz. Ele deu a vida por mim, para hoje eu poder dar parte da minha vida a outras pessoas.

Por muito que as hormonas pulem, por muito que o mundo te diga que a relação física tem que ser experimentada antes da sentimental, lembra-te sempre e nunca te esqueças que Ele te ama, deu a Sua vida por ti e que sabe o que é o melhor para cada um de nós. A pureza do teu compromisso com Ele, vale mais do que emoções que aceleram o coração.

Aproveita e entrega o teu coração a Jesus em mais um dia! E desfruta de um amor eterno e a valer!

Ricardo Rosa


in revista BSteen, fevereiro 2014


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

05 fevereiro 2014

A verdade da mentira

Se no mês passado falámos de Lucas e da sua investigação na busca pela verdade dos factos relativos à vida de Cristo, este mês falamos do outro lado da moeda – a mentira.
“Uma mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade”, afirmou Joseph Goebbels, o ministro de Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazi, que controlava quer os meios de comunicação quer a área da educação. De facto, este homem sabia como a manipulação dos factos pode levar as pessoas a acreditar e até dar a vida pela maior das barbaridades.
Hoje, olhamos para o panorama mundial e vemos precisamente a mesma cena, com personagens e ambientes diferentes. Grandes mentiras maquilhadas e distorcidas de tal modo que pessoas sinceras, manipuladas, são levadas a defendê-las como grandes verdades.
Nos momentos de solidão, quando pensamos na vida, quantas vezes nos segredam cá dentro pensamentos dissimulados que se vão tornando destrutivos, em relação a nós mesmos e aos outros, conforme pairam na nossa mente dia após dia, ano após ano?  
De facto, dos pensamentos íntimos mais profundos aos slogans repetidos nos media, há mentiras que nos querem vencer, convencer e, por fim, matar.
Jesus avisou-nos que o Diabo “é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira.” (João 8:44, AA). “O ladrão só quer roubar, matar e destruir. Mas eu vim para dar vida, e com abundância.” (João 10:10, OL)
Satanás “pinta-nos” como casos perdidos, escravos de afirmações negativas que fizeram sobre nós ao longo dos anos. Ele vai-nos matando aos poucos. Inspira-nos a não nos responsabilizarmos pelos nossos erros, a desistirmos de nós mesmos, a pensar apenas no “aqui e agora” e a vivermos a “sonhar” com a vida de terceiros.
Andamos tão embalados pela valsa mentirosa do dia a dia que não paramos para olhar para cima, como se não houvesse alternativa à lenga-lenga do “não vale a pena”, “és um caso sem solução”, “não te preocupes e segue o teu coração”.
Jesus não nos esconde a verdade. Ele afirma claramente que porque pecámos contra o Pai, precisamos de arrependimento e de aceitar o Seu sacrifício em nosso lugar, como Salvador, e a Sua orientação para a vida, como Senhor, caso contrário teremos a consequência da nossa decisão (Marcos 16:16; João 3:16-17).
Há esperança para nós, independentemente do nosso passado e do nosso presente. Esperança quando nos entregamos, tal como somos e estamos, esperando que Ele nos mude para sermos cada vez mais como Ele é.
E se já vivemos nessa boa e fiel esperança para hoje e para o amanhã, lembremo-nos dos outros que ainda não a conhecem. “E conhecerão a verdade, e a verdade vos tornará livres.” (João 8:32, OL)
A mentira existe, mas maior é a verdade – Cristo. Desmascaremos as mentiras que nos levam para longe de Deus e estimulemo-nos uns aos outros a ter o coração firmado na verdadeira esperança, todos os dias. “Cristo ocupando todo o vosso ser; o que é já garantia total da vida eterna passada na glória de Deus, que é a nossa esperança agora.” (Colossenses 1:27, OL)


Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, fevereiro 2014


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

02 fevereiro 2014

A estilista bondosa

Numa cidade da costa do Mediterrâneo, chamada Jope, vivia uma mulher muito especial, chamada Dorcas (ou Talita, em hebraico). Lucas, que escreveu o Livro de Atos, diz que ela era “uma crente que estava sempre a fazer bem aos outros, especialmente aos pobres.” (Atos 9:36, OL) Dorcas era uma espécie de “estilista”, no entanto, não fazia roupa para passagens de modelos, mas para ajudar as pessoas em necessidade.

Quando o apóstolo Pedro estava perto daquela localidade, Dorcas adoeceu e acabou por morrer. Os amigos de Dorcas sabiam que Deus fazia milagres através de Pedro, por isso pediram-lhe ajuda. Pedro foi lá. “Levaram-no ao quarto onde Tabita se encontrava. O compartimento estava cheio de viúvas que choravam e mostravam as túnicas e outra roupa que Tabita lhes fizera.” (Atos 9:39, OL)

Gostava que pensasses nisto: se “desaparecesses do mapa”, fosse porque razão fosse, qual seria o impacto disso na tua escola, na tua família, na tua igreja? Dorcas usou as suas mãos para abençoar os mais pobres, de tal maneira que quando morreu, as pessoas que ajudou sentiram a sua falta.

Somos Igreja, não para vivermos fechados nas quatro paredes da Casa de Oração, nem para nos entretermos de evento em evento, mas para sermos influência na nossa sociedade – mesmo em pequenos gestos. Claro que é mais confortável viver apenas como se o assunto “Deus” fosse uma prateleira que está escondida na cave, que não mostramos a ninguém fora do horário do culto, para não termos que viver de forma coerente com Ele, seja nas nossas ideias seja nas nossas atitudes... mas não é isso que Deus deseja de nós!

Se continuares a ler a história vais perceber que houve um milagre de Deus - Dorcas voltou a viver. Imagina a alegria daquelas pessoas que ela tinha ajudado! Que haja a mesma alegria nas pessoas que estão à minha e à tua volta pela nossa vida. Lembra-te do que Jesus disse: “Vocês são a luz do mundo. Uma cidade construída no topo de um monte, toda a gente a vê. Não se acende um candeeiro para o pôr dentro do armário. Não ocultem a vossa luz; deixem que ela brilhe diante de todos. Que as vossas boas obras brilhem também para serem vistas por todos, de tal maneira que louvem o vosso Pai celestial.” (Mateus 5:14-16, OL)

Estou contigo!

Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, fevereiro 2014


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico