27 junho 2008

E se Jesus entrasse no meu Hi5?

Originalmente, em inglês Hi5 quer dizer, mais ou menos, a expressão portuguesa “dá cá mais cinco”. No entanto, actualmente “o” Hi5 é outra coisa – um espaço na internet só para nós!Tudo isto é muito engraçado e divertido. Eu própria tenho um blog e um Hi5. Por ser cibernauta e navegar na internet usualmente, comecei a aperceber-me de algumas coisas que quero partilhar contigo. Vamos meditar acerca desta pergunta: o que Jesus diria se entrasse no meu Hi5?

O grande potencial
A internet é uma ferramenta de promoção de todo o tipo de coisas e valores. Música, vídeos, fotos... está tudo lá, à distancia de um clique.
A nossa sociedade está usar este meio para promover de tudo – incluído valores e atitudes contrárias a Deus. Vídeo-clips a falar e mostrar promiscuidade sexual, a pornografia nos pop-ups, a violência da linguagem e atitudes, a liberdade sem travões nem regras por todo o lado. De forma clara ou não, misturada com coisas boas e uma roupagem atraente, tudo isto está lá... certo?

O que é ser cristão?
Somos cristãos, logo vivemos debaixo do amor de Deus. É verdade que não é por aquilo que eu faça ou deixe de fazer que Deus me ama mais ou menos. Mas também é verdade que quando me entreguei nas mãos de Deus e pedi a Jesus para ser o Senhor da minha vida, tudo em mim passou a ser diferente - tornei-me uma nova pessoa.

O meu modo de vida, hoje, é resultado da transformação que Deus fez em mim naquele momento, mas também o meu desejo interior que Lhe agradar, a cada dia, porque O amo acima de tudo.

O que é que isso tem a ver com o Hi5?
Jesus tem a ver com TUDO na minha vida. O Salmo 139 explica isso mesmo. O princípio desse poema é que Deus está atento a tudo o que se passa na nossa vida – tudo inclui mesmo TUDO. Isto sucede no aspecto da protecção que Deus dá a cada um de nós, mas também no facto Dele ter a noção de TUDO o que pensamos, dizemos e fazemos.

Gosto como David termina “Examina-me, ó Deus, observa o meu íntimo. Prova-me e analisa-me os pensamentos. Vê tudo o que haja em mim de mau, e conduz-me pelo caminho eterno!” (Salmo 139: 23 e 24, Versão “O Livro”). Ou seja, David é honesto. Ele compreendeu que precisa da ajuda de Deus.

O teste
Como David, eu devo ter a honestidade de admitir que na minha forma de vida – incluindo o testemunho que passo através daquilo que publico na internet – pode precisar ser alterado.

Pensa nisto comigo, com toda a sinceridade:
• Que tipo de fotografias costumo publicar na internet?
• E qual a linguagem que utilizo nos meus comentários?
• Tento camuflar o meu cristianismo ou não tenho vergonha de ser cristão?
• Que valores estou a transmitir aos outros? Os de Deus ou os do mundo?

Aproveita!
Goza da tua liberdade como cristão para viver as coisas boas que Deus tem para ti – incluindo o Hi5, o MSN, os blogs, o convívio com teus amigos e milhares de coisas boas. Mas em tudo o que fizeres, faz como expressão da tua paixão por Deus – aquilo que O deixa feliz. Para conseguires isso, cultiva a tua relação com Deus e deixa-te moldar pelo Seu Espírito e pela Sua Palavra.

A sociedade já tem muitos modos de promover ideias contrárias àquilo que agrada a Deus. A nossa atitude deve ser contrária a essa tendência. Precisamos “promover” Deus e o modo de vida que Ele deseja: equilibrado, saudável e puro.

Bem, e quanto à pergunta “E se Jesus entrasse no meu Hi5?”, o facto é que Ele não precisa entrar para saber o que lá está. O que eu desejo, no meu caso pessoal, é que Jesus me dê um five pelo meu Hi5. E tu?

Artigo Publicado na Revista BSteen, Julho 2008. www.capu.pt

08 junho 2008

Mudar de vida?

Alguém disse que a construção da personalidade exige a mudança. Se observarmos as estórias da nossa história, inúmeros episódios da vida, verificamos como fomos forçados a mudar muitas e muitas vezes.

Existem aquelas mudanças que ocorrem naturalmente. Enquanto crescemos, vamo-nos adaptando a novas situações e sofremos alterações também no aspecto físico, emocional, intelectual e até espiritual.

Mas a necessidade de mudança pode ser sentida pela nossa insatisfação com a vida. Essa sensação, motivada pelos mais diversos factores, pode levar-nos a tomar uma atitude.

Isso relembra-me a história de um amigo de infância. Enquanto esteve a viver com os seus pais, ele acumulou o desejo de ir contra o sistema. Isto sucedeu de tal forma que, quando teve oportunidade de decidir sozinho, nas fases importantes da sua vida, deixou-se levar pela motivação errada - a rebeldia. Mudou de país, de esposa, de profissão, mas os resultados foram desastrosos. A sua vida é hoje um tapete de trapos, ligados pelas frágeis linhas do emocionalismo com a agulha da precipitação.

A mudança pode ser exactamente isso - uma reacção impulsiva perante uma situação complexa que nos faz “bater com a porta”, cujos resultados são muito diferentes daqueles que desejávamos.

Também podemos ficar cansados de tentar melhorar ou alterar o rumo da vida, e ver que vamos de mal a pior. Colocámos tantas e tantas vezes as nossas expectativas naquele novo emprego, num novo companheiro (ou companheira), numa nova cidade, num novo guarda-roupa, um novo estupefaciente que promove ainda mais a nossa dependência. 

Tentámos isto e aquilo, meses e anos, mas não conseguimos superar a nossa sensação interior de impotência, mesmo que para os outros nos apresentemos como as pessoas mais realizadas e felizes da terra.

De que vale mudar de maquilhagem, se o coração está endurecido pela vida? As mudanças interiores são as mais necessárias. Mas essas são as mudanças mais difíceis.

Quando Jesus entra no nosso coração, Ele realiza a mudança que nos seria impossível, mesmo nas nossas melhores intenções e capacidades de dissimulação. Ele muda o nosso coração. Há uma metamorfose na nossa natureza humana. Cristo dá-nos a capacidade de amar, mesmo nos momentos de discórdia. Ele muda-nos por dentro para que nós possamos mudar o nosso mundo. E dessa experiência só pode falar quem realmente aceita o desafio de deixar ser moldado inteiramente pelo nosso Criador.

Para quê ficar na mesma se, cá dentro, sabemos que precisamos de transformação? Não custa nada tentar mais uma vez. Basta dizer, sinceramente, “Muda-me, Jesus!”. Ainda estamos a tempo de mudar.

Se alguém está ligado a Cristo transforma-se numa nova pessoa; as coisas antigas passaram; tudo nele se fez novo!” (2 Coríntios 5:17, Versão “O Livro”)


Ana Ramalho

in revista Novas de Alegria, Junho 2008

01 junho 2008

Eu amo Portugal. E tu?

As bandeiras, os cachecóis, os autocolantes... verde, amarelo e vermelho. O país em peso está a apoiar os seus jogadores. A nação une-se à volta de um prémio incerto. O patriotismo está ao rubro. E nós?

Toda esta agitação faz-me pensar no amor que tenho (ou devia ter) pelo meu país. Não quero promover um discurso patriótico barato, mas reflectir naquilo que Portugal tem de mais preciso e valioso: as pessoas.

Estou tão habituada a viver um cristianismo confortável que me esqueço que o meu vizinho do lado precisa de Jesus. Fico muito contente por ter uma casa de oração com 50, 100, 300 ou até 1 000 pessoas... mas a nossa cidade tem 20.000, 100.000 ou mesmo dois milhões pessoas que nunca ouviram falar de Cristo.

Em Portugal, existem cerca de 40 concelhos que não têm nenhuma igreja evangélica. Isso não te faz meditar? A mim faz. Já pensaste que estamos a privar milhares de portugueses de conhecer O único que as pode salvar? Temos uma grande responsabilidade1.
Deus quer que oremos pelo nosso pais. Ele deseja que contribuamos para as missões. Mas o Senhor também quer levantar homens e mulheres que vão por essas cidades, vilas e aldeias espalhar a Boa Nova.

Admiro aqueles que já o estão a fazer, mas é preciso mais. Deus deseja isso. Talvez o meio para chegarmos a esses locais não alcançados passe pela deslocação de recém-licenciados com formação teológica, apoiados pelas suas igrejas, que se auto-sustentem e comecem a evangelizar. Talvez sejam necessários mais missionários a tempo integral, sustentados por diversas igrejas. A rádio? Um canal de TV na internet? Ministérios itinerantes, como “Jesus é a resposta”? Outros métodos?

O que é certo é que temos um grande desafio nas nossas mãos. Nas próximas páginas descobrimos alguns missionários e missionárias que aceitaram a chamada de Deus e foram. Não basta ficarmos sensibilizados com estas histórias, nem com os factos acerca do evangelismo no nosso país. Precisamos agir. Deus deseja que tu mesmo – que cada um de nós – faça alguma coisa, movido pelo Espírito Santo2.

Termino com algumas sugestões para que tu e eu possamos envolver-nos na missão.
  • ORAR – escolhe um concelho não alcançado e começa a orar por ele; ora por todos os missionários que conheceres; se a tua igreja apoia alguma missão, leva os missionários e suas famílias em oração.
  • CONTRIBUIR – envolve-te no departamento de missões da tua igreja, contribuindo com as tuas promessas de fé, e com o teu tempo e talentos naquilo que for necessário.
  •  IR - se a tua igreja apoia alguma missão, fala com o teu pastor para organizar um grupo de jovens que vá ali ajudar durante um período das vossas férias; fica disponível para seres um missionário e se já sentes a chamada de Deus, fala com o teu pastor e ora no sentido de saber o tempo certo de preparação e posterior envolvimento na missão. Enquanto isso, envolve-te na tua igreja local – a base de toda a preparação. Acima de tudo, precisamos de ser dirigidos pelo Espírito de Deus.

Dá um pouco de ti e espera que Deus faça a Sua parte. Há muita gente por aí que precisa desesperadamente de Jesus. Ele ama essas pessoas e quer salvá-las3. Ele ama Portugal. E tu?

Ana Ramalho


1 Marcos 16:15
2 Actos 1:8

3 1 Timóteo 2:4

in revista Novas de Alegria, suplemento NAJovem, Junho 2008