01 dezembro 2010

Não te iludas, mas sonha...

Quem não conhece a celebre citação "o sonho comanda a vida"?! Ter sonhos é das coisas mais fantásticas que existe na vida! Estou a referir-me ao desejo profundo de ter, fazer ou ser alguma coisa. Aquela paixão constante e crescente que nos faz lutar e trabalhar arduamente. Aqueles objectivos pessoais ou de grupo que fazem a nossa adrenalina disparar e dão sentido à vida.

Há quem sonhe ter um curso XPTO e ganhar rios de dinheiro... outros desejam constituir família... alguns pensam em ir evangelizar para a índia... outros querem comprar um carro que consuma uma bomba de gasolina aos 100kms/h. Cada pessoa tem os seus sonhos!

Um dos sonhos que tinha desde a minha pré-adolescência era ir à Austrália. Esperei 18 anos para realizar esse sonho. Foi na altura certa. A viagem foi fascinante pela beleza natural, pela cultura e principalmente pela igreja que conheci ali. Marcou a minha vida, o meu ministério. E agora... sonho regressar lá um dia.

Como sabemos, nem sempre temos a possibilidade de concretizar tudo o que desejamos. Somos levados muitas vezes a questionar: Será que isto é só ideia minha? Será que Deus deseja que eu mude para aquele emprego? E este projecto que estou a sonhar... terá “pernas para andar”? Eu já fiz e faço estas perguntas muitas e muitas vezes.

Desejo partilhar alguns pensamentos convosco para que sonhem, mas com os pés bem assentes na terra!

1 – Dá prioridade a Deus em todas as áreas da tua vida “Deleita-te também no Senhor, e ele te concederá o que deseja o teu coração.” (Salmo 37:4). Tem prazer em viver para Deus, em Lhe agradar. Tem desejo de conhecer Deus pela Palavra e pela experiência quotidiana com Ele. Busca a Sua vontade e deixa-O ter a última palavra em tudo.

2 – Dá tempo ao tempo “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado.” (Provérbios 19:2, RA). O tempo é o melhor teste para tudo. Através das situações que vais vivendo, das pessoas que vão ministrando à tua vida, vais ganhando certezas. Ou percebes que a chama não se apaga mas ganha cada vez mais força, ou simplesmente descobres que o que sentias era algo passageiro que "morreu".

3 – Vai à luta! “Esforça-te e tem bom ânimo (...)” (Josué 1:6 a) Procura fazer a tua parte. Não apenas orar e pedir orientação a Deus, mas investigar, conhecer pessoas com experiências parecidas, etc.

Se os sonhos que tens foram colocados aí por Deus, então o teu percurso de vida certamente irá confirmar isso. Terás a capacidade necessária para concretizar esse objectivo, seja ela financeira ou de outra ordem. Deus será a Tua vitória no meios das lutas que possam existir.

Qualquer que seja o teu sonho, não te iludas, mas busca a Deus, espera Nele, trabalha e... sonha!


Ana Ramalho


in revista BSteen, Dezembro 2010

O semáforo

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o meu pai não é pastor. De facto, ele também traz luz às pessoas, mas de outra maneira!

O meu pai é electricista de profissão. É funcionário de uma empresa subcontratada para tratar de tudo quanto é iluminação pública, sistemas de fornecimento de energia e afins, numa determinada zona urbana (incluindo a montagem e desmontagem das belas luzes de Natal). 

Desde há algum tempo que a tarefa principal do senhor José Ramalho é andar a “inspeccionar” semáforos. De cruzamento em cruzamento, lá anda ele a tratar desses “amigos da segurança rodoviária”. Faz uma limpeza completa, verifica se há algum problema com as lâmpadas e/ou a sequência das três luzes. Para que o trânsito não seja afectado e os acidentes sejam evitados, o trabalho do meu pai é essencial.

Um semáforo descontrolado pode ser muito perigoso. O mesmo acontece quando temos as prioridades trocadas na vida. 

Se dermos importância apenas à opinião dos outros, para parecer bem, ser aceite ou não “ficar de fora”, é como ter um semáforo psicadélico sempre a mudar de cor, sem muito sentido, e às vezes com duas cores opostas ao mesmo tempo. Ficamos confusos. É um “pára-arranca” eterno ou então vamos andando sem uma direcção concreta. Acabamos perdidos no caminho e sempre à espera que alguém decida por nós. E a culpa, dizemos, é dos outros. De facto, é confortável, mas não nos leva a lado nenhum!

Se a nossa vida se resumir a ter tudo e todos centrados em nós, o mais provável é dar em acidente. Colocamos o nosso semáforo no verde, porque queremos fazer as coisas já, à nossa maneira, sem respeitar regras enquanto os outros semáforos seguem a sua sequência. Se calha estarem também no verde, batemos com toda a velocidade e toda a facilidade. 

O melhor mesmo, é chamar, não o meu pai, mas o nosso Pai. Ele e os dois "sócios” (o Filho e o Espírito Santo) têm as credenciais e o material para limpar e calibrar o semáforo das nossas atitudes e decisões. Podem ensinar-nos a conduzir com segurança pelo Manual do Trânsito da Vida (a Sua Palavra). Além disso, Ele conhece os outros semáforos, das outras estradas de vida. Ele sabe sempre o que é melhor para nós, mesmo que achemos, muitas vezes, que o vermelho demora imenso a passar (às vezes anos) ou que o amarelo intermitente seja um empecilho, por não nos permite avançar com a rapidez que gostaríamos. 

Mas há uma coisa que, nem Deus nem ninguém pode decidir por nós: se queremos [ou não] continuar com o semáforo das intenções e escolhas a precisar de peças, fios ou lâmpadas, quer seja para recuperação ou manutenção.

Não somos robots mas, pessoas com capacidade para pensar, sentir, agir, escolher. Deus respeita isso mas dá-nos ferramentas e recursos para o fazermos da melhor forma. Aliás, Ele tem a capacidade de causar um santo incómodo cá dentro, que nos atrai a Ele e a deixá-lo "reparar-nos" de fio a pavio. Talvez por isso O evitemos tanto: a Sua presença, Palavra e igreja quando estamos decididos a ignorar os princípios saudáveis que Ele estabeleceu quando nos criou.

Vemos o cuidado de Deus por aqueles que O seguem, estampado no Seu Livro. Querem um exemplo? “São pois estes os mandamentos que devem cumprir quando chegarem à terra onde passarão a viver. Foram dados directamente pelo Senhor nosso Deus a mim primeiro, para que os passasse depois a vocês. Se lhes obedecerem, comunicar-vos-ão sabedoria e inteligência.” (Deuteronómio 4:5-6a, versão “O Livro”)

E tu? Queres dar “sinal verde” a Deus?

Ana Ramalho Rosa


in revista Novas de Alegria, Dezembro 2010


"É só manias!"

Estão todos à espera dela há mais de uma hora. “Só mais um bocadinho” gritou de dentro do quarto enquanto a família ganhava raízes. Quando saiu, o irmão de 10 anos não resistiu e comentou: “Parece que vais para um casamento. Vamos só visitar os avós... é só manias!”

Não devemos ser descuidados em nada – isso inclui a higiene pessoal e a nossa aparência - mas também não devemos exagerar. E porque é que o fazemos muitas vezes? Queremos impressionar alguém? Parecer mais velhos (ou mais novos)? ... ou simplesmente porque temos a mania! Somos vaidosos e não queremos ficar em nenhum outro lugar no Top Beleza: só no primeiro!

Mas não é só na aparência que temos a mania. Todas as vezes que achamos que somos os sabichões, que os nossos pais não sabem nada da vida, que Deus deve ter-Se enganado no conceito de vida saudável em todas as áreas... temos a mania!

Enquanto somos nós que estamos no pedestal, nem Deus nem os outros podem fazer nada para nos ajudar a ver a nossa condição... temos que perder a mania que sabemos tudo, que o mundo deve girar à nossa volta e que Deus tem a obrigação de nos dar o que queremos, quando e como queremos e, se for preciso, ir contra a Sua Palavra.

Agora, exigimos um telemóvel novo, mesmo que os nossos pais mal tenham dinheiro para nos dar um prato com comida. Hoje, queremos um(a) namorado(a) só para nos divertirmos um bocadinho, mesmo que não tenha os mesmos valores cristãos que nós. Amanhã já não bastam os beijinhos e abraços, mesmo que saibamos que o tempo certo para darmos a nossa intimidade é quando temos o compromisso assumido do casamento. Depois do cigarro, a gansa e quando já não chega, namoramos a Dona “Branca”!

A Bíblia não é um conjunto de “sins” e “nãos” com castigos incluídos. É uma carta de amor de Deus para termos uma vida saudável (espírito, alma e corpo)... Mas para termos esta noção, além de sabermos a teoria, precisamos conhecer na prática o amor de Deus – através de uma amizade, uma relação pessoal que revoluciona a nossa vida.

“Como filhos obedientes de Deus, não se conformem com a maldade de quando viviam na ignorância. Mas tal como é santo aquele que vos chamou sejam vocês santos em toda a vossa maneira de viver, porque ele próprio disse: Sejam santos, porque eu sou santo. (...) Vocês sabem que Deus pagou um preço para vos livrar daquela forma inútil de vida que receberam, por tradição, dos vossos pais; e esse resgate pagou-o não com ouro ou prata... mas com o precioso sangue de Cristo, o cordeiro de Deus, sem pecado e sem mancha!” (1 Pedro 1:14-16; 18-19, versão “O Livro”)

Eu quero perder a mania.

Estou contigo!

Ana Ramalho 

in revista BSteen, Dezembro 2010