Insegurança ou em segurança?

Segundo o estudo  "Segurança, Protecção de Dados e Privacidade em Portugal", realizado em 2007 pela ADT, os portugueses sentem-se cada vez mais inseguros.

Cerca de 71% dos inquiridos acham que a segurança agravou-se em 2007 e mais de 50% destes supõe que a situação piore este ano1.

Parece um paradoxo. Por um lado os órgãos oficiais dizem que há mais meios humanos e materiais na protecção civil e segurança pública, métodos mais sofisticados e sistemas de segurança apertados. No entanto, um clima crescente de insegurança emerge, o qual está patente não apenas nas estatísticas mas também nos rostos e comentários das pessoas.

A insegurança domina a nossa sociedade
Há inquietação acerca de factores externos, como o medo de ser assaltado, de perder o emprego, de não conseguir cumprir com as obrigações financeiras mensais, de sofrer um atentado, etc.

Por outro lado, dentro de cada individuo existem receios terríveis, que o podem dominar inconscientemente. Falta de paz interior, incerteza do dia de amanhã, consciência pesada pelas acções falhadas e maus pensamentos do dia, um vazio enorme que faz desesperar.

A pior das inseguranças
A morte é a coisa mais certa da vida, mas também aquela que causa mais angústia e incerteza nas pessoas. Há inquietação quanto ao que se passa “do outro lado”. As pessoas não sabem para onde vão. Não sabem se são boas o suficiente para entrar no Céu – quando acreditam no Céu.

Mas, porquê? Os erros, os pecados acumulados na vida, são a causa dessa incerteza. A Bíblia é clara “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Todas as pessoas estão longe de Deus, separadas pelo pecado. Estão condenadas ir para um lugar de tormento eterno chamado Inferno, após a morte. Isso causa insegurança, medo e frustração.

a insegurança pode ser vencidA?
A nossa maior insegurança não pode ser vencida por nós mesmos. Hoje procuram-se meios que adormeçam as consciências acerca da vida após a morte. Astrologia, yoga, contacto com espíritos e tantas outras coisas, são soluções que parecem boas, mas não satisfazem plenamente a intranquilidade humana quanto ao futuro.

Jesus é a solução. Ele dá-nos a vitória sobre essa separação de Deus, a morte eterna.2 Jesus não teve medo de enfrentar a cruz, para que nós não temamos o futuro eterno. Por nossa causa, Ele obedeceu e venceu. Não apenas morreu mais ressuscitou, ou seja, voltou a viver para sempre. Venceu a morte para que tu e eu pudéssemos também vencer.3

Cristo não morreu para alguns mas para todos os que quiserem aceitar a Sua morte como resposta para a vida eterna. Ele fez isso por amor a toda a humanidade e a cada um de nós, em particular.4

Jesus deseja não só libertar desse medo, como assegurar protecção para a vida daqueles que o aceitarem como Salvador e Senhor. A humanidade pode ser liberta do medo da morte e ter confiança quanto à vida eterna. Jesus transforma a nossa insegurança em segurança.

Ana Ramalho


1 Fonte: Jornal de Notícias, 4 de Março de 2008
2 1 Coríntios 15:55 e 57
3 1 Coríntios 15:3 e 4

4 João 3:16

in revista Novas de Alegria, Maio 2008

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda