A sós com a dor

Deus é um Deus de amor e de justiça. Mas não é esquizofrénico. Não tem prazer na nossa dor, não é daqueles que bate palmas quando escorregamos ao comprido. Ele quer que nós possamos relacionar-nos com Ele, que possamos viver eternamente bem e que O tenhamos mais próximo que o nosso bater do coração.

Deus não tem prazer na nossa tristeza, não se ri de nós na nossa fraqueza. Sabe quando choramos e sabe porque choramos. Sabe o quanto nos custa passar por momentos de dor, situações de medo e dias de tristeza. Não existe quem nos conheça melhor do que Ele!

Se sentes um peso brutal no teu coração, fala com Ele porque é Deus quem te vai aliviar esse peso. Se vives numa tensão diária e com receio, confia em Deus que é quem nos guarda e nos guia. Se a solidão te ataca e sentes desespero, se achas que vives a sós com a dor… Deixa que seja Ele a afastar essa solidão, a esmagar esse desespero, a sarar essa dor.


É fácil acharmos que os problemas dos outros têm uma resolução simples. Mas a maioria das vezes, não conhecemos a quantidade de sofrimento pelo qual outras pessoas sofrem. Mas Deus conhece, e não só conhece como quer restaurar essas pessoas.

A fadista Amália Rodrigues dizia que dava de beber à dor, mas aqui deixa que seja Deus a saciar a tua fome de paz e a tirar-te a sede na secura. Não deixes de confiar no Seu poder, no Seu amor, na Sua graça.

Deus não mudou, não muda. Deus sabe o que vives e o que pensas. E sabe que nos momentos difíceis, mesmo quando todos te deixem, Ele está sempre perto para te chamar com carinho. A minha oração por aqueles jovens e adolescentes que sofrem é esta:

Que o Pai que me ama mais do que eu posso imaginar, possa restaurar corações, fazer crescer pessoas e vidas, alimentar com esperança, amor e carinho todos os que se sentem tristes e abatidos.

Não fiques a sós como a dor. Mas vive cheio de Deus, a todo o momento, a todo o instante, a todo o segundo.

Ricardo Rosa



in revista BSteen, agosto 2015

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda