A testemunha corajosa

Escrava, aquela menina fazia o que lhe mandavam, para sobreviver naquela terra estranha. Servia na casa de um herói nacional sírio, mas ele estava doente – era leproso.

Ao ver o sofrimento daquela família, falou de um homem de Deus que poderia ajudar o seu amo. O nome do profeta era Eliseu. O do grande militar era Naamã. O da menina... não sabemos. O Rei da Síria escreveu ao Rei de Israel, pedindo que ajudassem o homem forte do seu exército, para que fosse até à pessoa certa e terminasse curado daquela doença incurável.

Se não te lembras do resto da história, podes ler em 2 Reis 5:1-19. Apesar de não querer seguir a “receita” que o profeta Eliseu lhe deu, Naamã tentou e o milagre aconteceu: foi curado de lepra!

Quando leio este episódio, penso: “será que eu teria a mesma coragem daquela menina?” Imagina se Naamã simplesmente recusasse ouvi-la? E se a cura não viesse a acontecer? Era muito arriscado, sendo ela uma escrava. O facto é que não teve medo e, por causa da sua coragem, Naamã foi curado e reconheceu Agora sei que em todo o mundo não há um verdadeiro Deus senão em Israel.” (v.15, OL)

Sabes, por vezes pode parecer arriscado dizermos aos nossos amigos que Deus pode mudar a vida deles, curá-los, etc. Podemos ter medo de ser o gozo da turma, que façam de nós “palhaços” nas redes sociais... enfim. Mas, se não falarmos quando eles estão a passar por um mau bocado, se nos calarmos quando os vemos tristes ou desiludidos, quem irá falar?

É verdade que, acima de tudo e em primeiro, devemos “falar” com a nossa vida – o modo como vivemos, falamos, reagimos e “postamos” – e mostrar-lhes Jesus, mas, como aquela menina, precisamos ser testemunhas daquilo que Deus pode fazer nas vidas dos que O abraçarem de corpo e alma, arrependidos do caminho errado que têm levado, desejosos de um novo caminho.

O mandamento ainda é o mesmo: “Mas receberão poder ao descer sobre vós o Espírito Santo e serão minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judeia e Samaria, e até aos lugares mais distantes do mundo.” (Atos 1:8, BPT)

Estou contigo!


Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, abril 2014

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda