Teresa — até que todos ouvissem...

Ligeira, miudinha, sempre com um sorriso nos lábios e uma palavra de encorajamento. A Teresa era assim...

Lembro-me da Teresa chegar às aulas de Educação Moral e Religiosa Evangélica com uma amiga — mais uma — a quem não teve vergonha de falar de Jesus, mesmo tratando-se de uma coisa tão estranha e diferente até para uma escola artística. E lembro-me da sua preocupação com a vida dos amigos que não conheciam Jesus.

Partiu cedo, com apenas 23 anos, mas além da saudade deixou-nos uma herança, uma lição, um exemplo: espalhar o amor de Deus e a Sua Palavra até que todos a ouvissem. Sem megafone, mas com um grande coração. Sem muita erudição, mas com sabedoria e ousadia de Deus.



A Teresa relembra-me(nos) da responsabilidade que temos de sermos testemunhas de Jesus. Uma testemunha num julgamento, por exemplo, fala do que viu, do que ouviu e presenciou. O que vimos, ouvimos e presenciamos através do impacto de Jesus Cristo nas nossas vidas — a começar na nossa salvação, — deve preencher o nosso coração, as nossas palavras e ações.

Nos dias de hoje, em que tanta informação e desinformação circula à nossa volta, testemunhar de Jesus parece utópico. Será que vale a pena? Tal como  Pedro e João, “não podemos deixar de falar no que Jesus fez e disse (...).” (Atos 4:20, OL)

Falar aos outros da mensagem do amor e salvação de Deus é, antes de mais, uma ordem de Jesus. “Vão por todo o mundo e preguem a boa nova a todos, em toda a parte.” (Marcos 16:15, OL) O amor de Jesus não se compra nem é uma “troca por troca”, mas o facto de seguirmos Cristo e O amarmos leva-nos a agir em conformidade com a Sua vontade.

Testemunhar acerca do plano de Deus para humanidade é anunciar aos outros o Seu grande desejo, pois Ele “quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade.” (1 Timóteo 2:4, OL).

Deus usa pessoas imperfeitas e impotentes por si mesmas, e capacita-as com ousadia e poder para falar da situação da humanidade, perdida sem Ele, e da solução que oferece através de Jesus — uma mudança radical e um relacionamento real e vivo com o Pai. “Porque não andamos a fazer propaganda de nós próprios, antes anunciamos Cristo Jesus como Senhor. Nós somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus, que mandou a luz resplandecer nas trevas, foi quem iluminou os nossos corações a fim de conhecermos a glória divina que resplandece na face de Jesus Cristo. E este precioso tesouro está contido como num recipiente de barro, ou seja os nossos corpos fracos. E assim toda a gente pode ver que esse maravilhoso poder é mesmo de Deus, não vem de nós.” (2 Coríntios 4:5-7, OL)

Deus usa pessoas como mensageiros da Boa Nova, mas é Ele quem trabalha “nos bastidores”, na vida e corações dessas pessoas. “A pessoa mais importante não é aquela que semeia, ou que rega. Deus sim é importante, porque só ele produz o crescimento.” (1 Coríntios 3:6, OL)

Para terminar, relembro-me(nos) das palavras de Jesus para os Seus discípulos — de ontem e de hoje: “Mas receberão poder ao descer sobre vós o Espírito Santo e serão minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judeia e Samaria, e até aos lugares mais distantes do mundo.” (Atos 1:8, BPT)

Ana Ramalho Rosa

in revista Novas de Alegria, janeiro 2017. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda