Destroços

O acidente era imprevisível. Um avião ultra moderno, desenhado para resistir a todas e quaisquer intempéries. O voo AF-447, que pretendia sair do Rio de Janeiro e aterrar em Paris, levou aquelas 228 pessoas a um destino impensável e irremediável.

No intuito de saber o que realmente sucedeu, as autoridades competentes não param nas suas buscas na zona em que se encontraram os destroços do navio. O jornal Diário de Notícias explica que as caixas negras podem estar a mais de seis mil metros de profundidade. Afirma também que: "O director de comunicação social da Marinha brasileira alertou para o facto de ser mais difícil avistar destroços à superfície do mar do que do ar, através das aeronaves da Força Aérea."
Não me aventuro a tentar adivinhar o ponto de partida desta mórbida aterragem. Talvez uma serie de situações contribuíram para este terrível desaire. Erro humano; falha técnica; situação climatérica perigosíssima... Descobrir a causa de toda esta tragédia é mais do que a satisfação caprichosa da curiosidade humana. É desvendar responsabilidades, sim, mas também perceber o que amanhã poderá ser melhorado e cuidado para evitar ao máximo outra tragédia.

Nem todas as viagens da vida são tranquilas e seguras. Há acidentes dos quais nunca vamos descobrir as causas. Podemos ter todos os cuidados possíveis e imaginários. Não falhar a uma revisão... mesmo assim, no percurso, acontece o impensável. Os destroços ficam para lembrarmos que nada é nosso. Tudo é de Deus. Não controlamos tudo. Somos criaturas ínfimas que precisam submeter-se humildemente a essa realidade.

Mas nem sempre somos vítimas de desastres incontroláveis. Eles também acontecem por erro humano (o nosso) ou por falta de contacto com a Torre de controlo de Deus. Os destroços são a prova da nossa sabedoria e previsibilidade limitadas, apesar da tecnologia e da experiência. As nossas "caixas negras" urgem uma investigação séria e uma atitude consequente. Ao nos colocarmos perante a Palavra de Deus obtemos um relatório, com indicações para o futuro, que precisamos aplicar humildemente.

A cada dia, tenhamos consciência da nossa insuficiência pessoal e da nossa suficiência em Deus.

"Examina-me, ó Deus, observa o meu íntimo. Prova-me e analisa-me os pensamentos. Vê tudo o que haja em mim de mau, e conduz-me pelo caminho eterno!"
(Salmo 139:23,24 - versão "O Livro")


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”