01 dezembro 2009

Proibido a curiosos!

Leste o título. Ficaste a pensar “leio ou não leio?!. Mas como és uma pessoa curiosa...

... acabaste por começar a ler o artigo! A curiosidade é uma característica que todos temos (uns mais do que outros). É por sermos curiosos que “sofremos” até saber o que esta dentro dos embrulhos no Natal, que vamos à net para ouvir o novo álbum da nossa banda favorita, que fazemos perguntas.

Não sei até que ponto és curioso ou curiosa em relação a coisas menos banais... por exemplo, em relação à origem da vida, a Deus. A discussão se Ele existe ou não anda aí desde que o homem é gente! Um Deus ou vários deuses? Uma força superior? Nada? Enfim... poderíamos por começar aqui e nunca mais acabar...

Muitos de nós nascemos e recebemos dos nossos pais uma tradição religiosa. Durante a vida vamos cumprindo os “deveres” dessa tradição... mas chega a um momento em que perguntamos se essa crença faz sentido. Começamos a procurar, a investigar, a questionar... podemos estar sinceramente insatisfeitos, tendo necessidade de algo mais profundo do que meros ritos e tradições.

Quando Jesus esteve entre nós, cruzou-Se com vários tipos de pessoas. Um dia, um mestre religioso veio ter com Ele. Tinha mais do que curiosidade... estava intrigado com a forma de Jesus viver e falar. Então, fez-Lhe uma pergunta: “De todos os mandamentos, qual é o mais importante? Jesus respondeu: Aquele que diz: 'Ouve, ó Israel. O Senhor teu Deus é o único Deus. Não há outro! Ama-o de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente com todas as tuas forças!' O segundo é: 'Ama os outros, como a ti mesmo.' Não há mandamentos maiores do que estes. O mestre religioso respondeu: Falaste com verdade, Senhor, ao dizeres que só há um Deus e não existe outro. E eu sei que amá-lo de todo o meu coração, entendimento e forças, e amar os outros como a mim mesmo é muito mais importante do que oferecer toda a espécie de sacrifícios no altar do templo. Apercebendo-se da compreensão daquele homem, Jesus disse-lhe: Não andas longe do reino de Deus.” (Marcos 12:28-34a, versão “O Livro”)

Fazia parte do “curriculo” um mestre religioso saber os mandamentos de cor! Porque é que ele fez aquela pergunta, então? Ao contrário da maioria dos líderes religiosos que tentavam “apanhar” Jesus em alguma falha, ele percebeu que Jesus era diferente. Pela pergunta que faz, percebemos que estava insatisfeito por viver na religião. Ele queria era Deus... e Jesus parecia ser a pessoa ideal para ajudá-lo.

Repara como termina aquele diálogo. Jesus diz Não andas longe do reino de Deus”. Ou seja Tu já percebeste o que é mais importante para Deus, mas ainda te falta alguma coisa”. Aquele homem, como muitos de nós, estava certo. Ele sabia que Deus se importa mais com as intenções do coração do que com meros ritos religiosos sem paixão. Mas ainda assim isso não bastava. Era preciso mais: um relacionamento com Deus.

Qualquer que seja a tua experiência com Deus até agora, estejas a 5 cm ou a 5 km de distância, Ele quer ter um relacionamento pessoal contigo, de tal forma que sejas mais do que um conhecedor ou conhecedora da Sua vontade... mas um filho ou uma filha que vai aprendendo a amar Deus e a viver nessa vontade dia-a-dia, através da Sua Palavra e de conversas que vais tendo com Ele.

Isso não é algo passageiro, mas é um caminho a dois: tu e Deus. Talvez seja essa a resposta que sempre procuraste... simples demais? Pode parecer, mas faz a experiência. Fala agora com Deus, com as tuas palavras, e começa um relacionamento com Ele.

Ana Ramalho 


in revista BSteen, Dezembro 2009

Sem comentários: