Crise Nobel

“Valor monetário dos prémios [Nobel] vai ser reduzido em 20% este ano, anunciou a fundação que anualmente distingue homens e mulheres que se notabilizam pelo seu trabalho em prol da Humanidade.”1
A crise fez o seu percurso: passou pela classe média, sacrificou os menos abastados e também chegou aos bolsos dos mais ricos. Até os prémios Nobel têm reduções, impostas pela conjuntura.
Mas uma conjuntura mais ampla e perigosa enterrou-nos no pântano do desespero. Quem muito tem, mais quer... e “os mercados” são o nome pomposo para um sistema assente na ganância. Esta sede por mais posses excede a simples ambição, pois governa o mundo e desgoverna-nos a vida.
O homem procura satisfazer-se no ter, porque não consegue – ou não quer – preocupar-se com o ser. Como humanidade deixámos de adorar Deus. Decidimos convencer-nos e convencer os outros (a começar pelos meninos na escola) que somos resultado do acaso e vamos para o acaso... Isso levou-nos a viver o presente, para esquecer a falta de esperança em relação ao futuro. Aos crentes em Roma, Paulo explica: “Desde a criação do mundo que os homens entendem e claramente veem, através de tudo o que Deus fez, as suas qualidades invisíveis - o seu eterno poder e a sua natureza divina. Não terão, portanto, desculpa de não conhecer Deus. Pois ainda que tendo conhecido Deus, não o adoraram como Deus e nem sequer lhe agradeceram todos os seus cuidados diários. Antes começaram a formar ideias absurdas. O resultado foi que as suas mentes insensatas se tornaram obscuras. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E então, em vez de adorarem o Deus glorioso e eterno, fizeram para si próprios ídolos com a forma de homens mortais, de aves, de quadrúpedes e de répteis. (...) Em vez de aceitarem a verdade de Deus, preferiram a mentira. Honraram e serviram coisas que são criadas em vez do próprio Criador, que é louvado eternamente. Amém.” (Romanos 1: 20-23, 25; versão “O Livro”)
Preferimos ser escravos do sistema consumista e materialista que criámos, do que servir a Deus. O resultado está à vista... Timóteo recebeu o aviso do seu mentor, Paulo, “A raiz de todos os males é a ganância do dinheiro. Levados por ela, muitos perderam a fé e meteram-se em grandes aflições.” (1 Timóteo 6:10; versão “A Bíblia para Todos”)
Um outro perigo subtil, que pode “atacar” até mesmo os cristãos mais sinceros é vivermos consciente ou inconscientemente com este princípio: Deus existe para ser adorado, não por aquilo que Ele é mas por aquilo que Ele nos dá. Deus existe para nos satisfazer, como um génio da lâmpada, mas com um número ilimitado de desejos possíveis. O egoísmo pode minar a nossa relação com Deus, ao ponto de vivermos um cristianismo distorcido, no qual cometemos o mesmo pecado: trocamos o Deus das bênçãos pelas bênçãos de Deus.
Os que negam a existência de Deus, precisam buscá-Lo com sinceridade. Os que sabem que Ele existe, mas vivem como se Ele não existisse, precisam negar-se a si mesmos e viver apenas para Ele. Os que vivem um cristianismo interesseiro precisam rever as suas prioridades e voltar a amar Deus acima de todas as coisas, em vez de amar todas as coisas que Deus dá.
O ato mais Nobel que podemos ter é aceitar o convite de Deus “Buscai-me, e vivei.” (Amós 5:4b).
  
Ana Ramalho Rosa


1 www.publico.pt

in revista Novas de Alegria, setembro 2012

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”