Deus@net

A Internet é uma coisa fantástica! Pensar que começou como um projeto militar secreto e se tornou neste mar gigante de informação, onde podemos falar com amigos, ler livros, ouvir músicas, saber o estado do tempo ou até as notas da escola (talvez seja melhor saltar esta parte), tudo isto torna a Internet uma verdadeira atração!

Mas como em boa parte das coisas (ou quase tudo o que o Homem inventou), existe um lado bom e um mau. A Internet tem sido utilizada para vários tipos de crimes e, muitas vezes, para poluir as nossas cabeças com coisas menos boas. Quem é que ainda não foi parar a páginas com imagens mais adultas?

NÃO BASTA CLICAR NO “GOSTO”!
Outro perigo é que a Internet também se torna um vício… Sim, leste bem, um vício. Quando passamos demasiado tempo nela, com os nossos “amigos” virtuais e a consumir tudo o que vemos, passamos a limitar a nossa capacidade de lidar com a realidade e com os problemas que soem a sério. Não é como nos jogos, em que fazemos sempre “salvar” antes daqueles momentos em que tudo corre mal, para podermos voltar a jogar novamente.

Passar tempo na Internet em si não é errado – depende do tempo e da forma como o fazes. Como em tudo, o excesso é mau. Deus quer que tenhamos uma vida equilibrada e caminhar para o amadurecimento, ou seja, para sermos pessoas cada vez mais parecidas com Jesus (Efésios 4:13). Não se trata de termos as mesmas roupas ou penteado, trata-se de afinarmos o nosso caráter com o d’Ele e “vermos” com os Seus olhos (1 Coríntios 2:16).

Vamos pensar… O dia tem 24 horas. Se estivermos 8 horas na escola, sobram 16 horas. Se dormirmos 8 horas por dia, ainda ficamos com outras 8 para fazer o que precisamos, como comer, passear, estudar, conviver, etc. De todo esse tempo, qual é o tempo que dedicamos ao que é real e ao que é virtual?

Sabemos que somos livres para fazer tudo, mas também sabemos que nem tudo é bom e que temos responsabilidades pelo que fazemos (1 Coríntios 10:23). Será que é saudável dedicar tanto tempo a relacionamentos virtuais e esquecer Deus, amigos e família? Quanto tempo passamos nós a clicar em “Gosto” no Facebook, mas deixamos de dizer isso a quem está à nossa volta?

Os relacionamentos precisam ter um investimento (não, não tem nada a ver com bancos, Troika’s ou assim). Para eu poder ser amigo de alguém, preciso de ter tempo para conhecer essa pessoa e passar tempo com ela. Falar, ouvir, saber esperar, são tudo coisas importantes e parte dos relacionamentos. Quando Jesus andou com os apóstolos, Ele investia o Seu tempo a falar com pessoas em várias ocasiões. Fosse em festas, em grandes ajuntamentos ou até mesmo nas horas mais quentes e em que quase ninguém passeava na rua, Ele investia o Seu tempo em relacionamentos (Mateus 5:29; Marcos 6:30-34; João 4:4-6). E não fazia isso por fazer ou porque na altura não tinha Internet. Fazia isso porque é o exemplo mais simples do que Deus deseja. Estar em contacto com o ser humano e relacionarem-se . Afinal, era isso que acontecia diariamente com Adão e Deus (Génesis 3:8-9)!

SEM FIOS
Mas eu falo com Deus todos os dias! Pelo menos é isso que podes pensar. Aqui o “problema” não é falar. É mais que isso! Se queres ter um relacionamento a sério com Jesus, precisas de passar tempo com Ele. “Como é que faço isso?”, podes perguntar. Bom, agora vem a parte mais interessante e prática. Ter um relacionamento com Jesus é mais ou menos como estar ligado a uma rede sem fios. Ou seja, podemos não estar ligados fisicamente ou ver a ligação, mas sabemos que ela existe e que não está limitada por fios, portas ou outras coisas. O Espírito Santo está dentro de cada um de nós e funciona como a placa de rede que nos liga a Deus (1 Coríntios 6:19, 1 João 3:24)!

Ler a Bíblia, orar, tirar tempo para conviver com os nossos irmãos e irmãs, estar presente nos cultos, louvar… Tudo isto são maneiras através das quais, podemos fortalecer o nosso relacionamento com Ele. Não precisamos estar num dia específico, com um traje exclusivo e agir de uma maneira especial para Deus falar connosco. Jesus ensina-nos a orar (Mateus 6:6-13). O autor da epístola aos Hebreus diz-nos que não devemos desligar-nos dos nossos manos e manas e Paulo aconselha-nos a animarmo-nos uns aos outros, a dar força aos que se sentem tristes e a vivermos em paz uns com os outros (Hebreus 10:25; 1 Tessalonicenses 5:11; 5:12-14).

A igreja que frequentas é a parte visível do Corpo de Cristo (que é a soma de todos os crentes em Jesus, de todos os tempos) e nós fazemos parte dela. Como qualquer corpo, só vai funcionar bem se todos estivermos unidos e nos relacionarmos uns com os outros. Os nossos relacionamentos com os nossos manos e manas não podem ser virtuais (ou seja, que não existem realmente) mas sim reais! Em todos nós existe um espaço vazio à espera de ser preenchido por Deus, mas Ele também nos usa para preencher outros espaços nos corações das pessoas.

Aquele que tem um relacionamento a sério com Deus, é o que O ama e pratica os Seus mandamentos (João 14:21). Eu já escolhi o tipo de relacionamento que quero. Não basta clicar no “gosto” de um amigo, mas quero dizer que gosto e que estou presente.

E tu?


Ricardo Rosa


in revista BSteen, outubro 2012

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda